Entre os sentidos atribuídos à colaboração e a possibilidade de mudança

Maria João Bártolo Macário, Cristina Manuela Sá

Resumo


Dada a importância fundamental das representações na vida dos indivíduos e, particularmente, na profissão docente, enquanto influenciadoras da sua ação didática, desenvolveu-se um estudo no âmbito da formação inicial deste grupo profissional. A finalidade era a de compreender as dinâmicas de influência entre as representações, a possibilidade de mudança e a adoção de trabalho colaborativo. Participaram dois grupos de estudantes de uma unidade curricular de um mestrado profissionalizante em Educação Pré-escolar e Ensino no 1º Ciclo do Ensino Básico de uma universidade portuguesa, no ano letivo de 2010/2011. Disponibilizou-se um questionário online no início do estudo e, no fim, deste os estudantes conceberam uma reflexão escrita individual sobre a vivência numa unidade curricular em que se promovia a colaboração. Neste artigo pretendemos apresentar e discutir as representações destas duas fases do estudo. Os resultados apontam para a influência das representações sobre colaboração na adoção dessa modalidade de trabalho e a dificuldade de mudança, ainda que essa possibilidade fique em aberto, como veremos. Daqui emergiram algumas sugestões pedagógico-didáticas com vista à promoção de práticas inovadoras no Ensino Superior, centradas na aprendizagem dos estudantes e no desenvolvimento da colaboração, particularmente na formação inicial de professores.


Palavras-chave


representações; formação de professores; colaboração

Texto Completo:

PDF

Referências


Abric, J.-C. (2001a). Les representations sociales: aspectos teóricos. In J.-C. Abric (Ed.), Chevrel, José Dacosta & Palacios, Fátima Flores (Trans.), Prácticas sociales y representaciones (pp. 12–32). México: Ediciones Coyoacán.

Abric, J.-C. (2001b). Metodología de recolección de las representaciones sociales. In J.-C. Abric (Ed.), Chevrel, José Dacosta & Palacios, Fátima Flores (Trans.), Prácticas sociales y representaciones (pp. 53–74). México: Ediciones Coyocán.

Amado, J. (2013). Questionários abertos e “composições.” In J. Amado (Ed.), Manual de Investigação qualitativa (1a ed., pp. 271–274). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Amado, J., & Freire, I. (2013). Estudo de caso na investigação em Educação. In J. Amado (Ed.), Manual de Investigação qualitativa (1a ed., pp. 121–143). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Boff, L. (1997). A águia e a galinha: uma metáfora da condição humana. Rio de Janeiro: Vozes.

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. (M. J. Alvarez & T. M. Baptista, Trans.). Porto: Porto Editora.

Cabecinhas, R. (2012). Investigar representações sociais: metodologias e níveis de análise. In M. M. Baptista (Ed.), Cultura: metodologias e investigação (pp. 53–70). Coimbra: Grácio Editor.

Cohen, L., & Manion, L. (1980). Research methods in education. London, England: Croom helm london.

Cunha, A. C. (2007). Formação de professores. A investigação por questionário e entrevista: um exemplo prático. Vila Nova de Famalicão: Editorial Magnólia.

Doise, W. (1990). Les représentations sociales. In R. Ghiglione, C. Bonnet, & J.-F. Richard (Eds.), Traité de psychologie cognitive (pp. 109–174). Paris: Dunod.

Doise, W. (2001). Atitudes e representações sociais. In D. Jodelet (Ed.), L. Ulup (Trans.), As Representações Sociais (pp. 187–200). Rio de Janeiro: UERJ.

Durkheim, É. (1924). Sociologie et philosophie. Paris: Librairie Félix Alcan. Retrieved from http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k814468/f1.image.langPT

Durkheim, É. (2001). Educação e sociologia. (N. G. Lopes, Trans.). Lisboa: Edições 70.

Flament, C. (2001). Estructura, dinámica y transformación de las representaciones sociales. In J.-C. Abric (Ed.), J. da C. Chevrel & F. F. Palacios (Trans.), Prácticas sociales y representaciones (pp. 33–52). México: Ediciones Coyocán.

Formosinho, J. (2009). A formação prática dos professores. Da prática docente na instituição de formação à prática pedagógica nas escolas. In J. Formosinho (Ed.), Formação de professores. Aprendizagem profisisonal e acção docente (1a ed., pp. 93–117). Porto: Porto Editora.

Fullan, M. (2008). Curriculum implementation and sustainability. In M. Connelly, M. Fang, & J. Phillion (Eds.), The Sage Handbook of Curriculum and Instruction (pp. 113–122). New York: Sage Publications.

Jodelet, D. (1984). Représentation sociale: phénomènes, concept et théorie. In S. Moscovici (Ed.), Pshychologie sociale (pp. 357–378). Paris: PUF.

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. In D. Jodelet (Ed.), L. Ulup (Trans.), As Representações Sociais (pp. 17–44). Rio de Janeiro: UERJ.

Jodelet, D. (2007). Contribuições das representações sociais para a análise das relações entre educação e trabalho. In L. Pardal, A. Martins, C. Sousa, A. del Dujo, & V. Placco (Eds.), Educação e trabalho: representações, competências e trajectórias (pp. 11–25). Aveiro: Universidade de Aveiro/Departamento de Ciências da Educação.

Labbé, S., Ratinaud, P., & Lac, M. (2007). Dynamique de l’implication et des représentations professionnelles: le cas d’une recherche-action dans le milieu industriel. In AECSE (Ed.), Congrès international AREF 2007 (Actualité de la Recherche en Education et en Formation) (pp. 1–11). Strasbourg: AECSE.

Marcelo, C. (2009). Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Sísifo. Revista Das Ciências Da Educação, (8), 7–22.

Martins, A., Pardal, L. A., & Dias, C. (2008). Representações sociais e estratégias escolares: a voz dos alunos do ensino técnico-profissional de Portugal e de Moçambique. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Martins, G. (2006). Estudo de Caso: uma estratégia de pesquisa. São Paulo: Editora Atlas SA.

Moscovici, S. (1961). La psychanalyse: son image et son public. Paris: PUF. Retrieved from http://books.google.pt/books?id=Tx1GBC8rlZgC&printsec=frontcover&dq=Psychoanalysis,+its+image+and+its+public&source=bl&ots=jzKuu0oNYH&sig=wgdo8PeBNcjoqZc60fqHRIDnz2g&hl=pt-PT&ei=Tl0KTN3hEc6B4QaBrcCLAQ&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=3&ved=0CCkQ6AEwAg#v=onepage&q&f=false

Moscovici, S. (2000). The phenomenon of social representations. In G. Duveen (Ed.), Social Representations. Explorations in social psychology (1a ed., pp. 18–77). Cambridge, UK: Polity Press.

Moscovici, S. (2009). Representações sociais: investigações em psicologia social. (P. Guareschi, Trans.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Pardal, L. A., Gonçalves, M., Martins, A., Neto-Mendes, A., & Pedro, A. P. (2011). Trabalho docente: representações e construção de identidade profissional. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Pardal, L. A., Martins, A. M., & Dias, C. (2007). Ensino técnico e profissional, emprego e acesso ao ensino superior: representações de alunos moçambicanos e portugueses. In L. Pardal, A. Martins, C. de Sousa, Á. del Dujo, & V. Placco (Eds.), Educação e trabalho: representações, competências e trajectórias (pp. 69–85). Aveiro: Universidade de Aveiro.

Richardson, V. (1996). The role of attitudes and beliefs in learning to teach. In J. Sikula, T. J. Buttery, & E. Guyton (Eds.), Handbook of research on teacher education (2a ed., pp. 102–119). New York: Mcmillan library reference USA.

Rodgers, C. R., & Scott, K. H. (2008). The development of the personal self and professional identity in learning to teach. In M. Cochran-Smith, S. Feiman-Nemser, D. J. McIntyre, & K. E. Demers (Eds.), Handbook of research on teacher education. Enduring questions in changing contexts (3th ed., pp. 732–755). New York: Routledge/Taylor & Francis Group.

Sá-Chaves, I. (2007a). Formação, conhecimento e supervisão. Contributos nas áreas da formação de professores e de outros profissionais (2a ed.). Aveiro: Universidade de Aveiro.

Sá-Chaves, I. (2007b). Portfolios reflexivos. Estratégia de formação e de supervisão (3a ed.). Aveiro: Universidade de Aveiro.

Sil, V. (2006). As práticas escolares, as representações sociais e a formação docente. Sonhar, II(1), 13–22.

Tapie, C., Fraysse, B., & Lenoir, Y. (2003). Représentations socioprofessionnelles de l’ingénieur chez des étudiants en formation d’ingénieur: perspective comparative. In Grand Atelier MCX : programme européeen, modélisation de la complexité ; interroger et modéliser les interventions de formation en situations complexes. Lille. Retrieved from http://cueep161.univ-lille

Tardif, M. (2003). Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas conseqüências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, (13), 5–24.

Vilelas, J. (2009). Investigação: o processo de construção do conhecimento. Lisboa: Edições Silabo.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso. Planejamento e métodos. (D. Grassi, Trans.) (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.14417/ap.1013

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Nº ERC: 107494 | ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - CRL, 2012 | Rua Jardim do Tabaco, 34, 1149-041 Lisboa | NIF: 501313672 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons CC BY-NC