Representações sociais do envelhecimento ativo num olhar genderizado

Fernanda Daniel, Elsa Caetano, Rosa Monteiro, Inês Amaral

Resumo


O objetivo deste estudo é analisar as representações sociais do envelhecimento ativo, procurando detetar os impactos das conceções diferenciadas de homens e mulheres idosos.

Foi desenvolvido um estudo de coorte transversal. Foram inquiridas 123 pessoas idosas (M = 76,84; DP = 8,46). Utilizámos para aceder às evocações sobre o envelhecimento ativo a Técnica de Associação Livre de Palavras.

As representações que emergiram com maior frequência foram a “família”, “passeio”, “convívio” e “saúde”. Foi possível destacar diferenças na representação social do envelhecimento ativo a partir de um olhar genderizado. Das evocações exclusivas do sexo masculino a evocação proeminente âncora no “desporto”, enquanto no sexo feminino a “atividade doméstica” predomina.

Ambos os sexos elegeram a “família” como evocação proeminente na representação social do envelhecimento ativo. As mulheres, refletindo os papéis que desempenharam ao longo da sua vida parecem assumir que um envelhecimento ativo representa a execução das tarefas que sempre fizeram, centrando-se muitas das suas evocações em conteúdos de cariz familista, onde o papel de cuidadoras se destaca. As atividades de carácter instrumental e associadas à esfera privada, como as tarefas domésticas emergem com maior proeminência. No caso dos homens, a componente familista é também evocada, emergindo concomitantemente atividades de lazer.

 


Palavras-chave


Envelhecimento ativo, Representações sociais, Género

Texto Completo:

PDF

Referências


Aboim, S. (2010). Género, família e mudança em Portugal. In. K. Wall, S. Aboim & V. Cunha (Org.), A vida familiar no masculino: negociando velhas e novas masculinidades (pp. 39-66). Lisboa: CITE.

Acker, J. (1992). Gendering organizational theory. In A. J. Mills & P. Tancred (Org.), Gendering organizational analysis (pp.248-260). Newbury Park, CA: Sage.

Almeida, M. (2007). Envelhecimento: ativo? Bem sucedido? Saudável? Possíveis coordenadas de análise. Fórum Sociológico, 17(2), 17-24).

Amâncio, L. (1994). Masculino e Feminino: A Construção Social da Diferença. Porto: Afrontamento.

Attias-Donfut, C. (1995). Les solidarités entre génerations. Vieillesse, famille, Etat. Paris: Nathan.

Arber, S., & Ginn, J. (1996). Relación entre género y envejecimiento: enfoque sociológico. Madrid: Narcea.

Bowling, A., & Dieppe, P. (2005). What is successful ageing and who should define it? BMJ (Clinical research ed.), 331(7531), 1548–51. doi:10.1136/bmj.331.7531.1548

CEDAW (2010). General recommendation No. 27 on older women and protection of their human rights, Sessão 27, 4-22 Outubro de 2010.

Cumming E. & Henry W. (1961). Growing Old: The Process of Disengagement. New York: Basic Books.

Daniel, F., Antunes, A., & Amaral, I. (2015). Representações Sociais da Velhice. Análise Psicológica, 33(3). doi:10.14417/ap.972

Daniel, F., Simões, T. & Monteiro R. (2012). Representações sociais do «envelhecer no masculino» e do «envelhecer no feminino». Ex aequo, (26), 13-26.

Di Giacomo, J. P. (1981). Aspects méthodologiques de l'analyse des représentations sociales. Cahier Psychologie Cognitive, 1(4), 397-422.

Durkheim, É. (1964) The Rules of Sociological Method, New York: The Free Press of Glenco.

Fernandes, M. G. (2009). Papéis sociais de gênero na velhice: o olhar de si e do outro. Revista Brasileira de Enfermagem, 62(5), 705–710. doi:10.1590/S0034-71672009000500009

Fernández-Ballesteros, R., Robine, J. M., Walker, A., & Kalache, A. (2013). Active aging: a global goal. Current Gerontology and Geriatrics Research, 2013, 1-4 298012. doi:10.1155/2013/298012

FFMS. (2014). Indicadores. PORDATA – Estatísticas, gráficos e indicadores de Municípios, Portugal e Europa. Acedido a 18 de Fevereiro de 2011. Disponível em http://www.pordata.pt/Portugal

Fonseca, A. M. (2005). Desenvolvimento humano e envelhecimento. Lisboa: Climepsi.

Fonseca, A. M. (2009). Que vida depois da reforma? In Fundação Calouste Gulbenkian (Org.), O Tempo da Vida: Fórum Gulbenkian de Saúde Sobre o Envelhecimento 2008/2009 (pp. 151-159). Cascais: Princípia.

Goldani, A. M. (1999). Mulheres e envelhecimento: desafios para novos contratos intergeracionais e de gênero. In Muito além dos 60: os novos idosos brasileiros (pp. 75-115). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Jodelet, D. (1986). La representación social: fenómenos, concepto y teoria. In S. Moscovici (Ed.), Pensamiento y vida social. (pp. 469- 494). Barcelona, España: Paidós.

Kohli, M., Künemund, H., Motel, A. & Szydlik, M. (2000). Families apart? Intergenerational transfers in East and West Germany. In: Arber S, Attias-Donfut C, editors. The myth of generational conflict: the family and state in ageing societies. London: Routledge.

La Caixa. (2010). Vive el envejecimiento activo. Memoria y otros retos cotidianos. Barcelona: Obra Social Fundación “la Caixa”

Lima, Â. M. M., Silva, H. S. da, & Galhardoni, R. (2008). Envelhecimento bem-sucedido: trajetórias de um constructo e novas fronteiras, 12(27), 795–807.

Miller, A., & Simeth, A. (2007). Combating Invisibility: Older Women Stereotypes Revised. Oshkosh Scholar, 2.

Monteiro, R. (2005). O que dizem as mães. Coimbra: Quarteto.

Moscovici, S. (1961). La psychanalyse, son image et son public: étude sur la représentation sociale de la psychanalyse. Presses universitaires de France.

Moscovici, S. (1981). Social Cognition: perspetives on everyday understanding. Londres: Academic Press.

Moscovici, S. (1984). The phenomenon of Social Representations: Social Representations. Cambridge: Cambridge University Press.

Nazareth, J. M. (2009). Crescer e envelhecer: constrangimentos e oportunidades do envelhecimento demográfico.

Neri, A. L. (2006). O legado de Paul B. Baltes à Psicologia do Desenvolvimento e do Envelhecimento. Temas em Psicologia. 14(1) 17-34.

Oakley, A. (1972). Sex, gender and society. New York: Harper Colophon Books.

OMS. (2005). Envelhecimento Activo: Uma Política de Saúde. Brasília: OPAS.

Organização das Nações Unidas: ONU. (2002). Plano de ação internacional contra o envelhecimento. Tradução de Arlene Santos, 2003, Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos.

Paúl, C. (2005). A construção de um modelo de envelhecimento humano. In: Constança Paúl e António da Fonseca (Org.). Envelhecer em Portugal, Psicologia Saúde e Prestação de Cuidados. ed. Lisboa: Climepsi.

Resende, M. C., Bones, V. M., Souza, I. S., & Guimarães, N. K. (2005). Bem-estar subjetivo e rede de relações sociais na vida adulta e velhice. Revista Eletrônica da Sociedade de Psicologia do Triângulo Mineiro, 9(1), 9-16.

United Nations, Department of Economic and Social Affairs, Population Division: UN-DESA (2013). World Population Ageing 2013. ST/ESA/SER.A/348.

Vala, J., & Monteiro, M. B. (2000). Psicologia social. (4a. ed.). Lisboa: Serviço de Educação Fundação Calouste Gulbenkian.

Vecchia, R. D., Ruiz, T., Bocchi, S. C. M., & Corrente, J. E. (2005). Qualidade de vida na terceira idade: um conceito subjetivo. Revista Brasileira de Epidemiologia, 8(3), 246–252. doi:10.1590/S1415-790X2005000300006

Vieira, K. F. L., & Coutinho, M. da P. de L. (2008). Representações sociais da depressão e do suicídio elaboradas por estudantes de psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão, 28(4), 714–727. doi:10.1590/S1414-98932008000400005

Walker, A. (2002). A strategy for active ageing. International Social Security Review, 55(1), 121–139. doi:10.1111/1468-246X.00118

Walker, A. (2009). Commentary: the emergence and application of active aging in Europe. Journal of Aging & Social Policy, 21(1), 75–93. doi:10.1080/08959420802529986

Wheeler, H. R. (1997). Women & aging: a guide to the literature. Boulder: Lynne Rienner Publishers.




DOI: https://doi.org/10.14417/ap.1020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Nº ERC: 107494 | ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - CRL, 2012 | Rua Jardim do Tabaco, 34, 1149-041 Lisboa | NIF: 501313672 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons CC BY-NC