Estudo de adaptação e validação de uma escala de perceção de liderança ética para líderes portugueses

Maria de Lurdes Gomes Neves, Filomena Jordão, Miguel Pina e Cunha, Diana Aguiar Vieira, Joaquim Luís Coimbra

Resumo


Os líderes influenciam o comportamento individual e organizacional, incluindo a dimensão ética, sendo igualmente influenciados pela suas expetativas, interpretações e interações com os outros (Glynn & Jamerson, 2006; Kellerman, 2004).

Frequentemente intervêm em diferentes contextos éticos, o que torna difícil para as pessoas "boas" tomarem boas decisões em situações más" (Glynn & Jamerson, 2006, p. 154).

A liderança ética pode ser considerada como a "demonstração de conduta normativamente adequada através de ações pessoais e das relações interpessoais, assim como a promoção de tal conduta para os liderados através de uma comunicação bidireccional, reforço e tomada de decisão" (Brown, Trevino & Harrison, 2005, 9.120).

O estudo aqui apresentado teve como objetivo desenvolver uma escala de liderança ética (Hanges & Dickson, 2004) para líderes portugueses com base na adaptação e validação da escala realizada por De Hoog e Den Hartog (2008).

Os resultados obtidos evidenciam qualidades psicométicas adequadas, com um valor elevado de consistência interna. As análises fatoriais exploratórias revelam uma estrutura que aponta para a existência de dois fatores para a escala definidos como Liderança Ètica e Liderança Despótica que integram as respetivas dimensões.

Importa, futuramente realizar uma análise da estabilidade das escalas com outra amostra por forma a verificar-se a consistência do s valores obtidos.


Palavras-chave


Liderança ética, Escala de liderança ética, líderes portugueses.

Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, L. S. & Freire, T. (2007). Metodologia da investigação em psicologia e educação (4ªEd.). Braga: Psiquilibrios Edições.

Brislin, R. W. (1986). The wording and translation of research instrument. In W. J. Lonner & J.W. Berry (Eds.), Field methods in cross-cultural research (pp. 137-164). Beverly Hills, CA: Sage.

Brown, M.E. and L. K. Treviño (2006). Ethical leadership: A review and future directions. Leadership Quarterly 17, 595-616.

Brown, M. E., L. K. Treviño, L. K. & Harrison, D. (2005). Ethical leadership: A social learning perspective for construct development and testing. Organizational Behavior and Human Decision Processes 97, 117-134.

Clegg, S. R., M. Kornberger, & Rhodes, C. (2007). Business Ethics as Practice. British Journal of Management 18(2), 107-122.

Comrey, A. L., & Lee, H. B. (1992). A first course in factor analysis (2ª Ed.).

Hillsdale, NJ: Erlbaum.

De Hoogh, A. H. B. & Den Hartog, D. N. (2008). Ethical and despotic leadership, relationships with leader's social responsibility, top management team effectiveness and subordinates' optimism: A multi-method study. The Leadership Quarterly 19, 297–311. doi:10.1016/j.leaqua.2008.03.002.

Glynn, M. & Jamerson, H. (2006). Principled Leadership: A framework for action. In E. D. Hess & K.S. Cameron (Eds.), Leading Values: positivity virtue and high performance (pp. 151-171). Cambridge: Cambridge University Press.

Hanges, P. J., & Dickson, M. W. (2004). The development and validation of the GLOBE culture and leadership scales. In R. J. House, P. J. Hanges, M. Javidan, P. W. Dorfman, & V. Gupta (Eds.). Culture, Leadership, and Organizations: The GLOBE Study of 62 Societies, Vol. 1 (pp. 205−218). Thousand Oaks, CA: Sage.

Hill, M. M. & Hill, A. (2005). Investigação por questionário. Lisboa: Edições Sílabo

House, R. J., & Aditya, R. N. (1997). The social scientific study of leadership: Quo vadis? Journal of Management, 23, 409−473.

Kellerman, B. (2004). Bad Leadership. Boston, MA: Harvard Business School Press.

Pestana & Gajeiro (2008). Análise de dados para ciências sociais (5ª Ed.). Lisboa: Edições Sílabo.

Priem, R., & Shaffer, M. (2001). Resolving moral dilemmas in business: a multicountry study. Business and Society, 40(2), 197-219.

Robertson, C. J., Crittenden, W., Brady, M. K., & Hoffman, J. J. (2002). Situational ethics across borders: a multicultural examination. Journal of Business Ethics, 38(4), 327-338.

Ruf, B., Muralidhar, K., Brown, R., Janney, J., &Paul, K. (2001). Empirical investigation of the relationship between change in corporate social performance and financial performance: a stakeholder theory perspective. Journal of Business Ethics, 32(2), 143-156.

Stevens, J. P. (1996). Applied multivariate statistics for the social sciences. Hillsdale, NJ: Erlbaum.

Tabachnick, B. G., & Fidell, L. S. (2007). Using multivariate statistics (5ª Ed.). Boston: Allyn and Bacon.

Trevino, L. K., Brown, M., & Hartman, L. P. (2003). A qualitative investigation of perceived executive ethical leadership: Perceptions from inside and outside the executive suite. Human Relations, 56, 5−37.

Yukl, G., Mahsud, R.,Hassan, S., & Prussia G. E. (2013). An Improved Measure of Ethical Leadership. Journal of Leadership & Organizational Studies, 20(1), 38-48. doi: 10.1177/1548051811429352.




DOI: https://doi.org/10.14417/ap.1028

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Nº ERC: 107494 | ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - CRL, 2012 | Rua Jardim do Tabaco, 34, 1149-041 Lisboa | NIF: 501313672 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons CC BY-NC