Crianças em acolhimento residencial: Conteúdo temático das suas narrativas de vida

Diana Neves Teixeira, Sara Ramos Silva, Margarida Rangel Henriques

Resumo


A narrativa é a forma privilegiada pelo ser humano para organizar a sua vida (Bruner, 2002), dando sentido a uma experiência que de outra forma seria caótica (Gonçalves, Korman & Angus, 2000). Entre o final da infância e início da adolescência surge a importância de construir sentido para a sua história de vida de forma a construir coerência pessoal (Pasupathi, Mansour & Brubaker, 2007). As crianças a viver em acolhimento residencial veem nesta tarefa o desafio adicional de construírem sentido em percursos de adversidade precoce, pautados por traumas e ruturas. Assim afigura-se pertinente estudar a forma como estas organizam as suas narrativas, nomeadamente os temas que incluem.

A amostra foi constituída por 16 participantes com idades compreendidas entre os 7 e os 12 anos de idade (M=9.19; DP=1.68), em situação de acolhimento residencial. Foi realizada a Entrevista de Narrativa de Vida com Crianças (Henriques, Ribeiro & Saraiva, 2009), para a recolha das histórias. A análise temática das narrativas de vida permitiu identificar 27 temas, que se destacaram pela frequência com que surgiram no discurso das crianças.

As narrativas apresentam uma multiplicidade temática, incluindo acontecimentos de vida normativos e, também, acontecimentos relacionados com a especificidade do seu percurso, remetendo para competência narrativa globalmente funcional. O conteúdo temático diversificado das narrativas salienta, ainda, a importância de se criarem espaços de conversação com as crianças em acolhimento residencial sem limitação de temas.


Palavras-chave


Narrativas autobiográficas, Narrativas de vida, Crianças, Acolhimento residencial, Conteúdo temático

Texto Completo:

PDF

Referências


Alberto, I. M. (2002). “Como pássaros em gaiolas?”. Reflexões em torno da institucionalização de menores em risco. In C. Machado & R. A. Gonçalves (Coords.), Violência e vítimas de crimes. Vol.2: Crianças (pp.223-245). Coimbra: Quarteto.

Angus, L., Levitt, H., & Hardtke, K. (1999). The narrative processes coding system: Research applications and implications for psychotherapy practice. Journal of clinical psychology, 55(10), 1255-1270.

Bailey, H., Moran, G., & Pederson, D. (2007). Childhood maltreatment, complex trauma symptoms, and unresolved attachment in an at-risk sample of adolescent mothers. Attachment & Human Development, 9 (2), 193-161.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. (L. A. Reto & A. Pinheiro, Trad.) Lisboa: Edições 70. (Original publicado em 1977)

Bruner, J. (2002). Actos de significado: Para uma psicologia cultural. (V. Prazeres & A. Mourão, Trad.) Lisboa: Edições 70, Lda. (Original publicado em 1990)

Carvalho, T. (2009). A experiência subjetiva de crianças e adolescentes institucionalizados: percepção em torno do processo de institucionalização e da experiência na instituição. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, Portugal.

Direção-Geral da Saúde (2007). Maus tratos das crianças e jovens: Intervenção da saúde. Lisboa: Direção-Geral da Saúde.

Gonçalves, O. (1994). From epistemological truth to existential meaning in cognitive narrative psychotherapy. Journal of Construtivist Psychology, 7, 107-118.

Gonçalves, O. (2000). Viver narrativamente: A psicoterapia como adjectivação da experiência. Coimbra: Quarteto.

Gonçalves, O., Korman, Y. & Angus, L. (2000). Constructing psychopathology from a cognitive narrative perspective. In R. Neimeyer& J. Raskin (Eds.), Constructions of disorders: Meaning making framework for psychotherapy.Washington: APA Press.

Freitas, A. (2006). O desenvolvimento narrativo na infância. Dissertação de Mestrado, Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, Portugal.

Bluck, S., & Habermas, T., (2000). Getting a life: the emergence of the life story in adolescence. Psychological bulletin, 126(5), 748-769.

Habermas, T., Ehlert-Lerche, S. & Silveira, C. (2009). The development of the temporal macrostructure of life narratives across adolescence: Beginnings, linear narrative form, and endings. Journal of Personality, 77(2), 527-560.

Habermas, T., Negele, A., & Mayer, F. B. (2010). “Honey, you’re jumping about”—Mothers’ Development, 25(4), 339-351.

Habermas, T. & Silveira, C. (2008). The development of global coherence in life narratives across adolescence: Temporal, causal, and thematic aspects. Developmental Psychology, 44(3), 707–721.

Holmes, E. A., Grey, N., & Young, K. A. (2005). Intrusive images and “hotspots” of trauma memories in posttraumatic stress disorder: An exploratory investigation of emotions and cognitive themes. Journal of Behaviour Therapy and Experimental Psychiatry, 36(1), 3-17.

Johnson, P. R., Yoken, C., &Voss, R. (1995). Family foster care placement: The child's perspective. Child Welfare: Journal of Policy, Practice, and Program.

Nelson, K. &Fivush, R. (2004). The emergence of autobiographical memory: A social cultural developmental theory. Psychological Review, 11(2), 486-511.

Oliveira, M. K., Rego, T. C. & Aquino, J. G. (2006). Desenvolvimento psicológico e constituição de subjetividades: ciclos de vida, narrativas autobiográficas e tensões da contemporaneidade. Pro-Posições, 17(2), 119-138.

Paiva, W. (2012). Institucionalização e infância: vivências e representações das crianças. Dissertação de Mestrado, Universidade do Minho, Portugal.

Pasupathi, M., Mansour, E. & Brubaker, J. R. (2007). Developing a life story: Constructing relations between self and experience in autobiographical narratives. Human Development, 50, 85–110.

Procuradoria Geral Distrital de Lisboa (2003). Lei de Promoção e Proteção de Crianças e Jovens em Perigo n.º 31/2003 de 22 de Agosto. Consultado em http://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_articulado.php?nid=545&tabela=leis&so_miolo=

McAdams, D. P. (1996). Personality, modernity, and the storied self: A contemporary framework for studying persons. Psychological inquiry, 7(4), 295-321.




DOI: https://doi.org/10.14417/ap.1245

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - Instituto Universitário, 2012 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons 'CC BY-NC '