O autoconceito na população com Dificuldade Intelectual e Desenvolvimental (DID) em Portugal: Revisão sistemática

Inês Fonseca, Bruno Almeida, Sara Roldão, Rita Jesus, Joana Lopes, Sofia Santos

Resumo


A mudança de paradigma da pessoa com Dificuldade Intelectual e Desenvolvimental (DID) como agente ativo e autodeterminado vem evidenciar a forma como o próprio se vê, ou seja, o seu autoconceito, sendo este um tema que a nível nacional ainda carece de mais investigação. Esta revisão sistemática objetiva identificar e caracterizar os aspetos que influenciam o autoconceito destes indivíduos. A pesquisa foi realizada em várias bases de dados e revistas eletrónicas. Os estudos foram considerados elegíveis se relatassem aspetos ligados ao autoconceito e à DID, apresentassem parte empírica, incluíssem amostras nacionais e se tivessem acesso livre. Posteriormente, os estudos foram submetidos a vários processos de seleção, até ao processo de avaliação metodológica. Foram considerados oito estudos, onde dois analisaram a influência da atividade física, e os restantes outras variáveis (e.g., desinstitucionalização) no autoconceito da pessoa com DID. Os oito estudos compreenderam 1 a 50 participantes (N=179), entre os 8 e os 65 anos com DID ligeira a moderada. Seis dos estudos foram classificados como “fortes” e os restantes como “moderados”. Existem vários aspetos que influenciam positivamente o autoconceito nesta população, destacando-se uma boa rede de suporte social e a educação parental. Quanto à autoestima, salienta-se a prática da atividade física e a desinstitucionalização. A aposta na investigação na área desde a validação de instrumentos específicos para a avaliação do autoconceito deste subgrupo populacional e da análise das suas propriedades psicométricas, passando pela identificação dos fatores preditores do autoconceito neste subgrupo, na relevância da monitorização dos processos de desinstitucionalização e identificação das estratégias e implementação de programas centrados na pessoa para uma maior participação, para a mudança de atitudes, são algumas das recomendações para a prática.

Palavras-chave


Autoconceito, Autoestima, Dificuldade Intelectual e Desenvolvimental, Deficiência, Portugal, Revisão sistemática.

Texto Completo:

PDF

Referências


Ahad, R., Ara, S., & Shah, S. (2016). Self-concept and aggression among institutionalized orphans of Kashmir. The International Journal of Indian Psychology, 3, 104-116.

Almeida, A. (2009). Estudo do impacto da desinstitucionalização de doentes e/ou deficientes mentais no seu bem-estar psicológico: Uma experiência de reabilitação psicossocial “quinta pedagógica das romãzeiras”. Dissertação de Mestrado não publicada em Psicologia Clínica na especialidade de Psicoterapia e Psicologia Clínica da Escola Superior dos Altos Estudos, Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra.

Arens, A., & Hasselhorn, M. (2014). Age and gender differences in the relation between self-concept facets and self-esteem. Journal of Early Adolescence, 34, 760-791. doi: 10.1177/0272431613503216

Beadle-Brown, J., Mansell, J., & Kozma, A. (2007). Deinstitutionalization in intellectual disabilities. Current Opinion in Psychiatry, 20, 437-442. doi: 10.1097/YCO.0b013e32827b14ab

Bowker, A. (2006). The relationship between sports participation and self-esteem during early adolescence. Canadian Journal of Behavioural Science, 38, 214-229.

Burns, R. (1982). Self-concept development and education. London: Holt, Rinehart and Winston.

Carmo, F., Carneiro, J., & Santos, S. (2011). A actividade física adaptada e os seus efeitos na auto-estima dos deficientes físicos da Associação de Portadores de Necessidades Especiais de Ministro Andreazza, RO. EFDeportes.com, 15(152). Retirado de http://efdeportes.com

Center of the Cochrane. (2018). Ensino. Como fazer uma revisão sistemática Cochrane. Retirado a 20 de janeiro de 2018 de http://brazil.cochrane.org/como-fazer-uma-revis%C3%A3o-sistem%C3%A1tica-cochrane

Centro de Reabilitação Profissional de Gaia, & Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa [CRPG & ISCTE]. (2007). Modelização das políticas e das práticas de inclusão social das pessoas com deficiência em Portugal: Qualidade de vida – Modelo conceptual. Retirado a 15 de janeiro de 2018 de http://www.crpg.pt

Couto, C. (2017). Caracterização do bem-estar psicológico, autoestima e depressão da população deficiente. PsychTech e Health Journal, 1, 21-37. doi: 10.26580/PTHJ.art3-2017

Dagnan, D., & Waring, M. (2004). Linking stigma to psychological distress: Testing a social-cognitive model of the experience of people with intellectual disabilities. Clinical Psychology and Psychotherapy, 11, 247-254. doi: 10.1002/cpp.413

Dailey, R. (2009). Confirmation from family members: Parent and sibling contributions to adolescent psychosocial adjustment. Western Journal of Communication, 73, 273-299. doi: 10.1080/10570310903082032

Decreto-Lei n.º54/2018. Presidência do Conselho de Ministros. Diário da República n.º 129/2018, Série I de 07 de agosto, 2918-2928.

Falvo, D. (2005). Medical and psychosocial aspects of chronic illness and disability (3rd ed.). Sudbury, MA: Jones & Bartlett.

Faria, L. (2002). A importância do auto-conceito em contexto escolar. In C. Pires, P. Costa, S. Brites, & S. Ferreira (Orgs.), Psicologia, sociedade & bem-estar (pp. 87-98). Leiria: Editorial Diferença.

Garaigordobil, M., & Pérez, J. (2007). Self-concept, self-esteem and psychopathological symptoms in persons with intellectual disability. The Spanish Journal of Psychology, 10, 141-150.

Glenn, S., & Cunningham, C. (2001). Evaluation of self by young people with Down syndrome. International Journal of Disability, Development and Education, 48, 163-177.

Gravito, N. (2007). Auto estima e competência física percebida no desporto adaptado – Estudo exploratório em atletas com deficiência motora e com deficiência intelectual. Monografia de Licenciatura não publicada em Ciências do Desporto e Educação Física, Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física, Universidade de Coimbra, Coimbra.

Harter, S. (2006). The self. In N. Eisenberg, W. Damon, & R. M. Lerner (Eds.), Handbook of child psychology (Vol. 3, pp. 505-570). Hoboken, NJ: John Wiley e Sons.

Hattie, J. (Ed.). (1992). Self-concept. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Heiman, T., & Margalit, M. (1998). Loneliness, depression, and social skills among students with mild mental retardation in different educational settings. Journal of Special Education, 23, 154-160.

Higgins, J., Altman, D., Gotzsche, P., Juni, P., Moher, D., Oxman, A. D., . . . Sterne, J. (2011). The Cochrane collaboration’s tool for assessing risk of bias in randomised trials. BMJ, 343. doi: 10.1136/bmj.d5928

Hergee, S. (2009). Autoconceito e estatuto sociométrico em jovens com deficiência mental. Dissertação de Mestrado não publicada em Psicologia Aplicada na especialidade de Psicologia Clínica, ISPA – Instituto Universitário, Lisboa.

Huck, S., Kemp, C., & Carter, M. (2010). Self-concept of children with intellectual disability in mainstream settings. Journal of Intellectual & Developmental Disability, 35, 141-154. doi: 10.3109/13668250.2010.489226

Hutz, C., & Zanon, C. (2011). Revisão da adaptação, validação e normatização da escala de autoestima de Rosenberg. Avaliação Psicológica, 10, 41-49.

Kiefer, A. K., & Sekaquaptewa, D. (2007). Implicit stereotypes, gender identification, and math-related outcomes. Psychological Science, 18, 13-18.

Kingery, J., Erdley, C., & Marshall, K (2011). Peer acceptance and friendship as predictors of early adolescents’ adjustment across the middle school transition. Merrill Palmer Quarterly, 57, 215e43. doi: 10.1353/ mpq.2011.0012

Li, E., Tam, A., & Man, D. (2006). Exploring the self-concepts of persons with intellectual disabilities. Journal of Intellectual Disabilities, 10, 19-34. doi: 10.1177/1744629506062270

Lopes, I. (2011). Educação parental: Impacto no auto-conceito de adolescentes com deficiência intelectual. Dissertação não publicada apresentada com vista à obtenção de grau de mestre, Escola Superior de Educação de Coimbra, Instituto Politécnico de Coimbra, Coimbra.

Luckasson, R., & Schalock, R. (2013). Defining and applying a functionality approach to intellectual disability. Journal of Intellectual Disability Research, 57, 657-668. doi: 10.1111/j.1365-2788.2012.01575.x

Mahod, Q., Van Erd, P., & Irvin, E. (2013). Searching for grey literature for systematica reviews: Challenges and benefits. Research Synthesis Methods, 5, 221-234. doi: 10.1002/jrsm.1106

Marsh, H., & Hattie, J. (1996). Theoretical perspectives on the structure of the self-concept. In B. Bracken (Ed.), Handbook of self-concept: Development, social, and clinical considerations. New York: Wiley.

Marsh, H., Tracey, D., & Craven, R. (2006). The multidimensional self-concept structure of preadolescents with mild intellectual disabilities. Educational and Psychological Measurement, 66, 795-818. doi: 10.1177/0013164405285910

Medina, C. (2014). Promoção do autoconceito através da aprendizagem cooperativa em atividades de enriquecimento curricular: O caso de um aluno com dificuldade intelectual e desenvolvimental. Dissertação de Mestrado não publicada em Educação Especial na especialidade de Domínio Cognitivo e Motor, Escola Superior de Educação de Coimbra, Instituto Politécnico de Coimbra. Retirado de http://hdl.handle.net/10400.26/12985

Moher, D., Liberati, A., Tetzlaff, J., Altman, D., & The PRISMA Group. (2009). Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: The PRISMA statement. PLoS Med, 6. doi: 10.1371/journal.pmed1000097

National Collaborating Centre for Methods and Tools [NCCMT]. (2008). Quality assessment tool for quantitative studies. Retirado em 18 janeiro 2018 de http://www.nccmt.ca/resources/search/14

Nussbaum, M. (2011). Creating capabilities: The human development approach. Cambridge, MA: Harvard University Press.

O’Haire, M. (2013). Animal-assisted intervention for autism spectrum disorder: A systematic literature review. Journal of Autism and Developmental Disorders, 43, 1606-1622. doi: 10.1007/s10803-0121707-5

Organização Mundial de Saúde (OMS). (2004). Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF). Lisboa: Direção-Geral da Saúde.

Palomino, M. (2017). An analysis of self-concept in students with compensatory education needs for developing a mindfulness-based psychoeducational program. SAGE Open, 1-11. doi: 110.1177/2158244017708818

Paterson, L., McKenzie, K., & Lindsay, B. (2012). Stigma, social comparison and self-esteem in adults with an intellectual disability. Journal of Applied Research in Intellectual Disabilities, 25, 166-176. doi: 10.1111/j.1468-3148.2011.00651.x

Peixoto, F. (2004). Qualidade das relações familiares, auto-estima, auto-conceito e rendimento académico. Análise Psicológica, XXII, 235-244.

Pina, J. (2012). Atividade motora adaptada e autoestima de alunos com deficiência. Relatório de Estágio de Mestrado não publicado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade da Beira Interior, Covilhã.

Polce-Lynch, M., Myers, B., Kilmartin, C., Forssmann-Falck, R., & Kliewer, W. (1998). Gender and age patterns in emotional expression, body image, and selfesteem: A qualitative analysis. Sex Roles, 38, 1025-1048.

Reid, K., Smiley, E., & Cooper, S. (2011). Prevalence and associations of anxiety disorders in adults with intellectual disabilities. Journal of Intellectual Disability Research, 55, 172-181. doi: 10.1111/j.1365-2788.2010.01360.x

Santos, S., & Gomes, F. (2016). A Educação das crianças com dificuldade intelectuais e desenvolvimentais vs. a convenção dos direitos da criança. Journal of Research in Special Educational Needs, 16, 51-54. doi: 10.1111/1471-3802.12268

Santos, S., & Morato, P. (2012). Comportamento adaptativo – Dez anos depois. Cruz Quebrada: Edições FMH.

Sardica, H. (2014). Autoconceito, suporte social e comportamentos de risco em adolescentes com deficiência mental. Dissertação de Mestrado não publicada em Educação Especial na especialidade de Domínio Cognitivo e Motor, Escola Superior de Educação de Beja, Instituto Politécnico de Beja, Beja. Retirado de http://hdl.handle.net/123456789/43534

Scalas, L., & Marsh, H. (2008). A stronger latent-variable methodology to actual-ideal discrepancy. European Journal of Personality, 22, 629-654.

Schalock, R., & Verdugo, M. (2002). Handbook on quality of life for human service practitioners (1st ed.). Washington, DC: American Association on Mental Retardation.

Schalock, R., Verdugo, M., Gomez, L., & Reinders, H. (2016). Moving us toward a theory of individual quality of life. American Journal on Intellectual and Developmental Disabilities, 121, 1-12. doi: 10.1352/1944-7558-121.1.1

Shavelson, R., Hubner, J., & Stanton, G. (1976). Self-concept: Validation of construct interpretations. Review of Educational Research, 46, 407-441. doi: 10.2307/1170010

Serra, A. (1988). O auto-conceito. Análise Psicológica, VI, 101-110.

Simões, C., & Santos, S. (2016). The quality of life perceptions of people with intellectual disability and their proxies. Journal of Intellectual e Developmental Disability, 41, 1-13. doi: 10.3109/13668250.2016.1197385

Thambirajah, M. (2011). Developmental Assessement of the school aged child with developmental disabilities. London: Jessica Kingsley Publishers.

Thomas, B., Ciliska, D., Dobbins, M., & Micucci, S. (2004). A process for systematically reviewing the literature: Providing the research evidence for public health nursing interventions. Worldviews Evidence Based Nursing, 1, 176-184. doi: 10.1111/j.1524-475X.2004.04006.x

Veiga, F. (2006). Uma nova versão da escala de autoconceito Piers-Harris cildren’s self-concept scale (PHCSCS-2). Psicologia e Educação, 5, 39-48.

Wehmeyer, M., & Abery, B. (2013). Self-determination and choice. Intellectual and Developmental Disabilities, 51, 399-411. doi: 10.1352/1934-9556-51.5.399

Wei, X., & Marder, C. (2012). Self-concept development of students with disabilities: Disability category, gender, and racial differences from early elementary to high school. Remedial and Special Education, 33, 247-257. doi: 10.1177/0741932510394872




DOI: https://doi.org/10.14417/ap.1550

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Nº ERC: 107494 | ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - CRL, 2012 | Rua Jardim do Tabaco, 34, 1149-041 Lisboa | NIF: 501313672 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons CC BY-NC