A filosofia existencial de Karl Jaspers

Antónia Perdigão

Resumo


O estatuto da filosofia é o de Filosofia da Existência (Existenzphilosophie). É, por isso, imprescindível manter numa abertura constante e em permanente tensão os seus dois extremos: a Razão e a sua universalidade, e a Existência e a sua singularidade incomunicável. Quanto ao espaço da filosofia, ele é o da verdade mais universal, do acolhimento mais amplo e da decisão mais ousada, no sentido de tudo compreender e transcender, ou tudo compreender transcendendo.

Por último, o sentido da filosofia é o de servir de base à vida. Revela-se a todo e a cada homem que nasceu para o descobrir e para se decidir livremente a procurá-lo com um coração puro e consciente de que esta é a única forma de o poder encontrar, uma vez que ele não é constringente nem pode, ao contrário da verdade, seruniversal. Fiel à Existência e ao seu pensamento, Karl Jaspers nunca aceitou a denominação de «existencialista» porque nunca defendeu um «existencialismo», o que equivaleria a reduzir tudo à existência, transformando-a num valor absoluto e aniquilando desse modo o seu sentido.

A Existência não é absoluta, é a Existência possível. Uma superação constante de si mesma feita de luta, fracasso e fé filosófica. A Existência não é um valor nem um conceito. É liberdade, comunicação, historicidade: o compromisso fundamental do eu-consigo-mesmo,-com-o(s)-outro(s)--e-com-o-mundo. O pensamento, por seu lado, só tem sentido na fidelidade autêntica a essa Existência que é, no seu âmago, cifra da Transcendência. O valor dessa fidelidade concentra-se na decisão constante pela escolha, apesar do fracasso e da culpa. Uma fidelidade que se prolonga até à morte, onde se esgotam as possibilidades do Dasein.

No seu conjunto, a obra de Karl Jaspers dá-nos, pela sua autenticidade e pela sua humanidade, uma chave hermenêutica para as várias oscilações do ser-no--mundo enquanto projecto existencial. Dá-nos, acima de tudo, um caminho para a mudança de atitude capaz de converter a derrota em vitória e de transformar a insuficiência e a decepção em élan e em certeza existencial, de transformar a morte em vida.


Palavras-chave


Filosofia da Existência, Dasein, Existência, Transcendência; inquietação existencial; situações- limite; liberdade; escolha(er); comunicação; historicidade; fracasso; fé filosófica

Texto Completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14417/ap.386

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - Instituto Universitário, 2012 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons 'CC BY-NC '