O Modelo de Falloon para intervenção familiar na esquizofrenia: Fundamentação e aspectos técnicos

Manuel Gonçalves-Pereira, Miguel Xavier, Gráinne Fadden

Resumo


Os autores fazem uma retrospectiva da utilização de psicoterapia comportamental em famílias de pessoas com doença mental grave, nomeadamente esquizofrenia, focando o modelo de Falloon e colaboradores (Terapia Familiar Comportamental).

Trata-se de uma intervenção unifamiliar, psicoeducativa, de inspiração comportamental, que pretende melhorar a capacidade de resolução de problemas no seio da família. Os resultados estão bem documentados em termos clínicos (menores taxas de recaída), psicossociais (melhor funcionamento socio-ocupacional, menor sobrecarga familiar) e económicos.

Estas intervenções estão amplamente difundidas na Europa e EUA, e as suas indicações têm sido alargadas a diversos campos da psicopatologia do adulto, bem como da infância e adolescência.

Em Portugal, o treino neste tipo de intervenções tem vindo a ser feito desde 1996, ainda que, paradoxalmente, sem tradução significativa na prática clínica de rotina. As dificuldades de implementação são parcialmente comuns a outras intervenções com famílias, constituindo uma área merecedora de investigação específica.


Palavras-chave


Esquizofrenia; terapia familiar; terapia comportamental

Texto Completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14417/ap.443

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Nº ERC: 107494 | ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - CRL, 2012 | Rua Jardim do Tabaco, 34, 1149-041 Lisboa | NIF: 501313672 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons CC BY-NC