Tarefas matemáticas e desenvolvimento do conhecimento matemático no 5.º ano de escolaridade

Regina Bispo, Glória Ramalho, Nuno Henriques

Resumo


As tarefas matemáticas providenciam o contexto no qual os estudantes aprendem matemática. Embora sejam muitos os factores que influenciam o processo de aprendizagem da matemática, as tarefas propostas aos estudantes são determinantes na medida em que actuam como “causas próximais” da aprendizagem. O nível de exigência cognitiva e a promoção do processo de matematização são características fundamentais nas tarefas propostas aos alunos.

Este estudo incide sobre a análise das tarefas matemáticas propostas por professores a alunos do 5.º ano de escolaridade. Os itens foram analisados de acordo com e estrutura teórica desenvolvida no âmbito do programa PISA da OECD.

Os níveis de exigência cognitiva mais elevados foram encontrados no desenvolvimento das competências matemáticas Comunicação e Pensamento e Raciocínio, sendo estes significativamente maiores que os associados às competências Argumentação, Colocação e Resolução de problemas, Modelação e Uso de auxiliares e instrumentos. A competência matemática menos trabalhada nos itens analisados é o Uso de linguagem simbólica, formal e técnica.

A análise dos dados mostrou que a maioria das tarefas incluem-se no grupo das tarefas de Reprodução. Em conclusão, o estudo evidencia que a grande maioria das tarefas não usam contextos realistas e, predominantemente, conduzem os estudantes a seleccionar procedimentos e algoritmos de resolução pré-definidos.


Palavras-chave


Tarefas matemáticas; ensino da matemática; competências matemáticas; níveis de exigência cognitiva

Texto Completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14417/ap.445

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Nº ERC: 107494 | ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - CRL, 2012 | Rua Jardim do Tabaco, 34, 1149-041 Lisboa | NIF: 501313672 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons CC BY-NC