Crenças de senso comum sobre medicamentos genéricos vs. medicamentos de marca: Um estudo piloto sobre diferenças de género

Maria João Figueiras, Dália Marcelino, Maria Armanda Cortes, Rob Horne, John Weinman

Resumo


O presente estudo avaliou em que medida o nome da doença pode influenciar a crença sobre o uso de medicamentos (genéricos e de marca) em indivíduos saudáveis, e (2) a existência de eventuais diferenças de género associadas às crenças sobre a medicação para doenças específicas.

Participaram neste estudo 144 indivíduos saudáveis (54% mulheres) que completaram um questionário constituído por vignettes em que diferentes prescrições (genérico/marca) foram dadas para a mesma doença. Foram utilizados quatro nomes de doença: gripe, amigdalite, asma e angina de peito.

Os resultados indicam que existem efeitos de interacção entre tipo de medicamento e doença. Os participantes concordam com a prescrição do medicamento genérico para todas as doenças, no entanto esta concordância diminui significativamente à medida que a gravidade da doença aumenta. Verificaram-se ainda diferenças de género em relação à crença na eficácia dos medicamentos genéricos para as diferentes doenças. Os homens associam o uso do medicamento genérico a doenças que consideram menos graves, enquanto as mulheres associam a utilização do medicamento de marca a doenças percepcionadas como mais graves.

Apesar do seu carácter exploratório, este estudo levanta questões importantes no que se refere a aspectos subjectivos relacionados com a escolha e uso de medicamentos, o que pode ter implicações para a saúde em geral e para a adesão a regimes terapêuticos.


Palavras-chave


Crenças; medicamentos; doenças; género

Texto Completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14417/ap.455

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - Instituto Universitário, 2012 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons 'CC BY-NC '