Repertórios interpretativos sobre o amor e as relações de intimidade de mulheres vítimas de violência: Amar e ser amado violentamente?

Ana Rita Dias, Carla Machado, Rui Abrunhosa Gonçalves, Celina Manita

Resumo


O presente estudo procura compreender como as mulheres vítimas de violência falam sobre o amor e as relações de intimidade e como experienciam e significam o fenómeno da violência sofrida. Explora-se também o recurso à violência por parte destas mulheres, em que contextos o fazem e como significam a violência perpetrada.
O estudo envolve 12 mulheres vítimas de violência, de diferentes grupos etários e com diferentes trajectórias de vida, com as quais se conduziu uma entrevista individual acerca da história de amor da sua vida. Conclui-se que tanto os relatos de vitimação como os de perpetração se inscrevem em discursos socioculturais mais amplos sobre o amor e as relações de intimidade – que sustentam a vitimação sofrida no feminino e limitam a agressividade feminina.
Concluímos que a violência feminina assume características idiossincráticas e tem implicações práticas diferentes, relacionadas com as desigualdades e assimetria de género, não havendo similaridade na violência entre homens e mulheres na intimidade. A agressividade feminina surge como estratégia para lidar coma adversidade, no sentido de conseguir algum controlo sobre a relação e o sentido de si próprias, revelando a capacidade de luta, sobrevivência e resiliência destas mulheres.

Palavras-chave


Agressividade feminina; Amor; Discursos socio-culturais; Violência na intimidade; Vitimação feminina

Texto Completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14417/ap.539

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - Instituto Universitário, 2012 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons 'CC BY-NC '