Casamento, casamentos? Representações sociais do casamento heterossexual e do casamento homossexual

Gabrielle Poeschl, Bruno Pereira da Silva, Filipa Tenreiro Cardoso

Resumo


Partindo da constatação de que, na actualidade, o poder atractivo do casamento parece diminuir por parte das pessoas heterossexuais enquanto aumenta por parte das pessoas homossexuais, examinaram-se as representações do casamento heterossexual e do casamento homossexual de 240 adultos heterossexuais portugueses, que responderam a um questionário constituído por questões abertas e questões fechadas. Os resultados sugerem que ambas as formas de casamento são consideradas como tendo por finalidade principal cimentar o amor, mas que constituir família será uma melhor justificação para o casamento heterossexual do que para o casamento homossexual. Os discursos acerca das duas formas de casamento apresentam apenas uma dimensão comum, que remete para a partilha e o companheirismo. Enquanto a representação do casamento heterossexual engloba referências à família, às relações amorosas e aos compromissos, a representação do casamento homossexual esvazia-se na problemática dos direitos e dos preconceitos. De acordo com os resultados habitualmente encontrados na literatura, as mulheres e as pessoas com nível de educação mais elevado apresentam uma representação do casamento homossexual mais positiva mas, contrariamente ao esperado, este não é o caso das pessoas mais jovens.

Palavras-chave


representações sociais, casamento heterossexual, casamento homossexual, preconceito

Referências


Bawin-Legros, B. (1998). Familles, mariage, divorce. Liège: Pierre Margada.

Bozon, M. (1992). Sociologie du rituel du mariage. Population, 47 (2), 409-433.

Casper, L. M. & Bianchi, S. M. (2002). Continuity and change in the American family. Thousand Oaks, CA: Sage.

Deconchy, J. P. (1971). L’orthodoxie religieuse. Paris: Les Editions Ouvrières.

Di Giacomo, J. P. (1981). Représentations sociales et comportements collectifs. Tese de doutoramento. Louvain-la-Neuve: Université Catholique de Louvain.

Gillis, J. R. (2004). Marriages on the mind. Journal of Marriage and Family, 66, 988–991.

Herek, G. M. (2002). Gender gaps in public opinion about lesbians and gay men, Public Opinion Quarterly, 66, 40-66.

Herek, G. M. (2006). Legal recognition of same-sex relationships in the United States: A social science perspective. American Psychologist, 61, 607-621.

Herek, G. M. (2011). Anti-equality marriage amendments and sexual stigma. Journal of Social Issues, 67 (2), 413-426.

Héritier, F. (2005). Quel sens donner aux notions de couple et de mariage? A la lumière de l’anthropologie, Informations sociales, 122, 6-15.

INE (2010). Estatísticas demográficas 2009. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.

INE (2013). Anuário Estatístico de Portugal 2012. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.

Leite, S. (2003). A união de facto em Portugal. Revista de Estudos Demográficos, 33, 95-140.

Moscovici, S. (1961). La psychanalyse, son image et son public. Paris: Presses Universitaires de France.

Pickett, B. (2011). Homosexuality. In E. N. Zalta (Ed.), The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Spring 2011 Edition). acedido Janeiro de 2011.

Autor (2011). Homophobie, sexisme et justification de l’ordre social établi. In C. Fraïssé (Ed.), L’homophobie et les expressions de l’ordre hétérosexiste (pp. 67-84). Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

Poeschl, G., Múrias, C., & Costa, E. (2004). Desigualdades sociais e representações das diferenças entre os sexos. Análise Social, Vol. XXXIX (171), 365-387.

Rees, G. (2002). ‘In the sight of God’: Gender complementary and the male homosocial signification of male-female marriage. Theology and Sexuality, 9 (1), 19-47.

Rosenberg, S. & Jones, R. (1972). A method for investigating and representing a person’s implicit personality theory: Theodore Dreiser’s view of people. Journal of Personality and Social Psychology, 22, 372-386.

Rosik, C. H. & Byrd, A. D. (2007). Marriage and the civilizing of male sexual nature. American Psychologist, 62 (7), 711-712.

Santos, F. (2010). Sem cerimónia nem papéis: Um estudo sobre as uniões de facto em Portugal. Tese de Doutoramento. Faculdade de Sociologia. Universidade da Beira Interior.

Saraceno, C. (1997). Sociologia da família. Lisboa: Editorial Estampa.

Stacey, J. & Biblarz, T. (2001). (How) Does the sexual orientation of parents matter? American Sociological Review, 66 (2), 159-183.

Torres, A. C. (2002). Casamento em Portugal. Oeiras: Celta Editora.

Venâncio, J. (2010). Homofobia e consequências da (não) assumpção da homossexualidade: Um estudo sobre a visão LGBT. Tese de Mestrado. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Universidade do Porto.

Zordan, E. P., Falcke, D., & Wagner, A. (2009). Casar ou não casar? Motivos e expectativas com relação ao casamento. Psicologia em Revista, 15 (2), 56-76.


Texto Completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISBN (in print): 0870-8231 | ISBN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - Instituto Universitário, 2012 | Portal otimizado para Internet Explorer 10, Firefox 32+, Chrome 37+ e Safari 5+.