Colaboração terapêutica: Estudo comparativo de um caso finalizado e de um caso de desistência

Angela Ferreira, Eugénia Ribeiro, Dulce Pinto, Carla Pereira, Ana Pinheiro

Resumo


A qualidade da interação terapêutica constitui-se como um importante preditor dos resultados terapêuticos e como crucial na decisão dos clientes para se manterem na terapia.

O presente estudo teve como objetivo descrever e comparar o desenvolvimento da colaboração terapêutica em dois casos clínicos, um finalizado e um de desistência, ambos de insucesso e seguidos em Terapia Narrativa.

Foi utilizado o Sistema de Codificação da Colaboração Terapêutica, que permite distinguir episódios colaborativos, não colaborativos e de ambivalência por referência à Zona de Desenvolvimento Proximal Terapêutica (ZDPT) dos clientes. A codificação foi realizada independentemente por dois pares de juízas, tendo as discrepâncias sido resolvidas por consenso e mediante posterior auditoria.

Os resultados mostram que no caso de desistência os episódios não colaborativos foram cinco vezes mais frequentes do que no caso finalizado. Em ambos os casos, verificou-se uma tendência crescente do terapeuta para estimular o movimento das clientes ao longo da ZDPT no sentido da inovação. Contudo, se nas últimas sessões do caso finalizado a cliente foi capaz de com o terapeuta, no caso de desistência ocorreu um aumento de episódios não colaborativos entre a díade.


Palavras-chave


COLABORAÇÃO TERAPÊUTICA; CASO FINALIZADO; DESITÊNCIA; INSUCESSO

Texto Completo:

PDF

Referências


Azevedo, H. (2010). Desenvolvimento da colaboração terapêutica: O estudo de um caso de sucesso de terapia narrativa. Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica apresentada à Universidade do Minho, Escola de Psicologia, Braga.

American Psychiatric Association (2002). Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais (4ª edição, texto revisto). Lisboa: Climepsi Editores.

Bachelor, A., Laverdière, O., Gamache, D., & Bordeleau, V. (2007). Clients’ collaboration in therapy: self-perceptions and relationships with client psychological functioning, interpersonal relations, and motivation. Psychotherapy: Theory, Research, Practice, Training, 2(44), 175–192.

Baekeland, F., & Lundwall, L. (1975). Dropping out of treatment: A critical review. Psychological Bulletin, 5(82), 738–783.

Benetti, S., & Cunha, T. (2008). Abandono de tratamento psicoterápico: Implicações para a prática clínica. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60(2), 48–59.

Hatcher, R. (1999). Therapists’ views of treatment alliance and collaboration in therapy. Psychotherapy Research, 4(9), 405–423.

Horvath, A. (2006). The alliance in context: Accomplishments, challenges, and future directions. Psychotherapy: Theory, Research, Practice, Training, 43(3), 258–263.

Horvath, A. (2013). You can’t step into the same river twice, but you can stub your toes on the same rock: Psychotherapy outcome from a 50-year perspective. Psychotherapy, 50, 25–32. doi: 10.1037/a0030899

Horvath, A., & Bedi, R. (2002). The alliance. In J. Norcross (Ed.), Psychotherapy relationships that work (pp. 37-69). Oxford: University Press.

Jung, S., Serralta, F., Nunes, M., & Eizirik, C. (2013). Beginning and end of treatment of patients who dropped out of psychoanalytic therapy. Trends in Psychiatry and Psychotherapy, 35(1), 181–190.

Leiman, M., & Stiles, W. (2001). Dialogical sequence analysis and the zone of proximal development as conceptual enhancements to the assimilation model: The case of Jan revisited. Psychotherapy Research, 11(3), 311–330.

Lepper, G., & Mergenthaler, E. (2007). Therapeutic collaboration: How does it work?. Psychotherapy Research, 17(5), 576–587.

Lepper, G., & Mergenthaler, E. (2008). Observing therapeutic interaction in the “Lisa” case. Psychotherapy Research, 18(6), 634–644.

Machado, P., & Fassnacht, D. (2014). The Outcome Questionnaire (OQ-45.2) in a Portuguese population: Psychometric properties, norms and confirmatory analysis. Clinical Psychology & Psychotherapy.

Martin, D., Garske, J., & Davis, M. (2000). Relation of the therapeutic alliance with outcome and other variables: A meta-analytic review. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 3(68), 438–450.

Martins, C., & Machado, C. (2006). Observação da interação humana: Considerações metodológicas. Psicologia: Teoria, Investigação e Prática, 11(2), 159–176.

Oliveira, S. (2010). Desenvolvimento da colaboração terapêutica: O estudo de um caso de sucesso seguido em terapia cognitivo-comportamental. Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica apresentada à Universidade do Minho, Escola de Psicologia, Braga.

Pinto, D., Ribeiro, E., Sousa, I., Pinheiro, A., & Freitas, A. C. (submetido). The therapeutic collaboration in dropout cases of narrative therapy: An exploratory study.

Ribeiro, E., Ribeiro, A., Gonçalves, M., Horvath, A., & Stiles, W. (2013). How collaboration in therapy becomes therapeutic: The therapeutic collaboration coding system. Psychology and Psychotherapy: Theory, Research and Practice, 86(3), 294–314. doi: 10.1111/j.2044-8341.2012.02066.x

Ribeiro, E. (2009). A aliança terapêutica reconsiderada: Colaboração terapêutica em zonas de mudança proximal. In E. Ribeiro (Coord.), Aliança terapêutica: Da teoria à prática clínica (pp.167-181). Braga: Psiquilíbrios Edições.

Roos, J., & Werbart, A. (2013). Therapist and relationship factors influencing dropout from individual psychotherapy: A literature review. Psychotherapy Research, 23(4), 394–418. doi: 10.1080/10503307.2013.775528

Sharf, J., Primavera, L., & Diener, M. (2010). Dropout and therapeutic alliance: A meta-analysis of adult individual psychotherapy. Psychotherapy: Theory, Research, Practice, Training, 47(4), 637–645. doi: 10.1037/a0021175

Swift, J. K., & Greenberg, R. P. (2012). Premature discontinuation in adult psychotherapy: A meta-analysis. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 80 (4), 547–559. doi: 10.1037/a0028226

Tryon, G., & Winograd, G. (2002). Goal consensus and collaboration. In J. Norcross (Ed.), Psychotherapy relationships that work (pp. 109-123). Oxford: University Press.

Vygotsky, L. (1978). Mind in society. Cambridge: Harvard University Press.

White, M., & Epston, D. (1990). Narrative means to therapeutic ends. New York: Norton.

Wierzbicki, M., & Pekarik, G. (1993). A meta-analysis of psychotherapy dropout. Professional Psychology: Research and Practice, 2(24), 190–195. doi: 10.1037/0735-7028.24.2.190




DOI: https://doi.org/10.14417/ap.938

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - Instituto Universitário, 2012 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons 'CC BY-NC '