Estudo comparativo acerca do comportamento e comunicação materna e paterna em atividade conjunta com os seus filhos de idade pré-escolar

Isabel Fernandes, Marina Fuertes, Isabel Barroso, Andreia Ferreira, Miguel Branco, Ana Ladeiras, Catarina Veloso, Filipe Brás Pinto, Tiago Osório, Holger Brandes, Otília Sousa

Resumo


A investigação tende a descrever o pai como parceiro de jogo que favorece a liberdade de ação; enquanto a mãe, tende a reforçar a comunicação nas interações, envolvendo afetivamente a criança. Nos casos em que a mãe brinca e o pai presta cuidados básicos à criança, a qualidade da interação pai-filhos aumenta consideravelmente. Neste estudo, observamos pai e mãe independentemente na mesma situação experimental como parceiros da criança numa atividade lúdica de construção. Comparamos os seus comportamentos quando colocados no mesmo papel. Para o efeito, foi pedido a 19 díades mãe-filho(a) e 17 díades pai-filho(a) que realizassem, em 20 minutos, um produto à sua escolha com os materiais e ferramentas disponibilizados. As crianças tinham entre 3 e 5 anos, sem atrasos de desenvolvimento identificados. Pretendemos descrever e comparar os pais (mães e pais considerados em conjunto) quanto: (i) à empatia, atenção, reciprocidade, cooperação, elaboração/fantasia e desafio proposto; (ii) à qualidade da comunicação; e (iii) aos produtos realizados e escolhas de materiais. Os nossos resultados indicam poucas diferenças entre pais e mães. Em termos de comunicação, as mães realizam mais perguntas de processo do que os pais. As diferenças mais relevantes correspondem à forma como os pais e as mães reagem com os meninos e as meninas, dando maior liberdade de ação às meninas, mais feedback positivo e revelando-se mais sensíveis a responder às suas emoções. Os meninos perderam mais interesse durante a atividade e revelaram mais sinais de aborrecimento do que as meninas. O sexo das crianças afetou mais os resultados do que o dos pais, ou seja, os pais interagiram e comunicaram distintamente com meninas e meninos. Adicionalmente, a escolaridade dos pais correlacionou-se com comportamentos mais atentos, pacientes e cooperativos dos pais. Relativamente à idade dos progenitores, os pais mais novos e com mais filhos usaram mais materiais e ferramentas.

Palavras-chave


Interação pais-filhos, Afectividade, Comunicação verbal, Intersubjetividade partilhada, Sexo.

Texto Completo:

PDF

Referências


Ainsworth, M. D. (1967). Infancy in Uganda: Infant care and growth of love. Baltimore: Johns Hopkins University Press.

Ainsworth, M. D., Bell, S., & Stayton, D. (1974). Infant mother attachment and social development: “Socialization” as a product reciprocal responsiveness to signals. In J. M. Richards (Ed.), Integration of a child into a social world (pp. 9-135). Cambridge: Cambridge University Press.

Aksan, N., Kochanska, G., & Ortmann, M. R. (2006) Mutually responsive orientation between parents and their young children: Toward methodological advances in the science of relationships. Developmental Psychology, 42, 833-848. doi: 10.1037/0012-1649.42.5.833

Alves, M. J., Fuertes, M., & Sousa, O. (2014). Estudo da qualidade da interação e da fala dirigida por pais e mães. Atas do VII Encontro Nacional da Língua Portuguesa, 7, 16-17.

Barroso, I., Ferreira, A., Fernandes, I., Branco, M., Ladeiras, A., Pinto, F., . . . Fuertes, M. (2017). Estudo sobre as diferenças interativas e comunicativas das educadoras e das mães com crianças em idade pré-escolar. Da Investigação às Práticas, 7(1), 41-62.

Beeghly, M., Fuertes, M., Liu, C., & Delonis, M. S. (2010). Maternal sensitivity in dyadic context: Mutual regulation, meaning-making, and reparation. In D. W. Davis & M. C. Logsdon (Eds.), Maternal sensitivity: A scientific foundation for practice (pp. 59-83). Hauppauge, NY: Nova Science Publishers, Inc. http://www.worldcat.org

Bowlby, J. (1969). Attachment and loss (Vol. I) London: Penguin Book.

Brandes, H., Andra, M., Röseler, W., & Schneider-Andrich, P. (2012). Does gender make a difference? Tandem study a pedagogical activity of female and male ECE workers. Paper presented on the international conference “Men in early childhood education and care”.

Brandes, H., Andrä, M., Röseler, W., & Schneider-Andrich, P. (2015). Does gender make a difference? Results from the German ‘tandem study’ on the pedagogical activity of female and male ECE workers. European Early Childhood Education Research Journal, 23, 315-32.

Braungart-Rieker, J., Courtney, S., & Garwood, M. M. (1999). Mother-and-father-infant attachment families in context. Journal of Family Psychology, 13, 535-553. doi: 10.1037/0893-3200.13.4.535

Brundin, K., Rodholm, M., & Larsson, K. (1988). Vocal communication between parents and infants. Early Human Development, 16, 35-53. doi: 10.1016/0378-3782(88)90085-0

Bus, A. G., & van IJzendoorn, M. H. (1988). Motherchild interactions, attachment, and emergent literacy: A cross-sectional study. Child Development, 59, 1262-1272. doi: 10.1080/10862960109548129

Cabrera, N. J., Tamis-LeMonda, C. S., Bradley, R. H., Hofferth, S., & Lamb, M. E. (2000). Fatherhood in the twenty-first century. Child Development, 71, 127-136. doi: 10.1111/1467-8624.00126

Castro, S., Fuertes, M., Sousa, O. C., Faria, A., & Osório, T. (2015). Interação e a fala dos pais dirigida a crianças de 15 meses. Poster apresentado ao XXXI Encontro APL, Braga, Universidade do Minho, 28-30 de outubro.

Clarke-Stewart, K. A. (1978). And daddy makes three: The father’s impact on mother and young children. Child Development, 49, 466-478. doi: 10.2307/1128712

Crawley, S. B., & Sherrod, R. B. (1984). Parent-infant play during the first year of life. Infant Behavior and Development, 7, 65-75. doi: 10.1016/S063-6383(84)80023

Crittenden, P. M., & Bonvillian, J. D. (1984). The relationship between maternal risk status and maternal sensitivity. American Journal of Orthopsychiatry, 54, 250-262. doi: 10.1111/j.1939-0025.1984.tb01492.x

Faria, A. (2011). Continuidade e desenvolvimento dos processos de vinculação à mãe e ao pai durante os primeiros 18 meses de vida. Tese de Doutoramento, Faculdade de Psicologia e ciências da Educação da Universidade do Porto, Porto.

Faria, A., Fuertes, M., & Santos, P. (2014). Pais e mães protegem, acarinham e brincam de formas diferentes. Análise Psicológica, XXXII, 1-19. doi: 10.14417/ap.698

Ferreira, A., Barroso, I., Fernandes, I., Branco, M., Ladeiras, A., Pinto, F., . . . Fuertes, M. (2016). Estudo sobre as diferenças interativas e comunicativas de educadores e educadoras com crianças em idade em pré-escolar. Da Investigação às Práticas, 6(2), 79-100.

Fuertes, M., Faria, A., Soares, H., Oliveira-Costa, A., Corval, R., & Figueiredo, S. (2009). Dois parceiros, uma só dança: Contributo do estudo da interação mãe-filho para a Intervenção Precoce. In G. Portugal (Ed.), Ideias, projetos e inovação no mundo das infâncias – O percurso e a presença de Joaquim Bairrão (pp. 127-140). Aveiro: Universidade de Aveiro.

Fuertes, M., Lopes-dos-Santos, P., Beeghly, M., & Tronick, E. (2009). Infant coping and maternal interactive behavior predict attachment in a Portuguese sample of healthy preterm infants. European Psychologist, 4, 320-331. doi: 10.1027/1016-9040.14.4.320

Greenberg, M., Speltz, M., & DeKleyn, M. (1993). The role of attachment in the early development of disruptive behavior problems. Development and Psychopathology, 5, 191-213. doi: 10.1080/14616730310001596124

Haviland, J. (1977). Gender-related pragmatics in infants. Journal of Communication, 27, 80-84.

Lamb, M. E. (1977). Father-infant and mother-infant interaction in the first year of life. Child Development, 18, 167-181. doi: 10.1111/j.1469-7610.1982.tb00063.x

Manlove, E. E., & Verno-Feagans, L. (2002). Caring for infants, daughters and sons in dual-earner households: Maternal reports of father involvement in weekday time and tasks. Infant and Child Development, 11, 305-320. doi: 10.1002/icd.260

Meltzoff, A. (1999). Born to learn: What infants learn from watching us. In N. Fox & J. G. Warhol (Eds.), The role of early experience in infant development. Skillman, NJ: Pediatric Institute Publications.

Monteiro, L. (2007). Análise do fenómeno de base segura em contexto familiar: A especificidade das relações criança/mãe e criança/pai. Tese de Doutoramento, ISPA – Instituto Universitário, Lisboa.

Monteiro, L., Veríssimo, M., Castro, R., & Oliveira, C. (2006). Partilha da responsabilidade parental. Realidade ou expectativa?. Psychologica, 42, 213-229.

Monteiro, L., Veríssimo, M., Santos, A. J., & Vaughn, B. E. (2010). Envolvimento paterno e organização dos comportamentos de base segura das crianças em famílias portuguesas. Análise Psicológica, XXVI, 395-409.

Pederson, D. R., & Moran, G. (1996). Expressions of the attachment relationship outside of the strange situation. Child Development, 67, 915-927. doi: 10.1111/j.1467-8624.1996.tb01773.x/abstract

Pancsofar, N., & Vernon-Feagans, L. (2006). Fathers’ early contributions to children’s language development in families from low-income rural communities. Early Child Res Q, 25, 450-463. doi: 10.1016/j.ecresq.2010.02.001

Santos, A. (1991). Desempenho em leitura: Um estudo diagnóstico da compreensão e hábitos de leitura em universitários. Estudos de Psicologia (PUC, Campinas), 8, 6-19.

Song, L., Spier, E. T., & Tamis-LeMonda, C. S. (2013). Reciprocal influences between maternal language and children’s language and cognitive development in low-income families. Journal of Child Language, 40, 1-22.

Snow, K.E. (1989). Understanding social interaction and language acquisition: Sentences are not enough. In M. H. Bornstein & J. Bruner (Eds.), Interaction in human development (pp. 83-102). London: Academic Press.

Snow, M. E., Jacklin, C., & Maccoby, E. E. (1983). Sex-of-child differences in father-child interaction at one year of age. Child Development, 54, 227-232.

Tamis-LeMonda, C. S., Baumwell, L., & Cristofaro, T. (2012). Parent-child conversations during play. First Language, 32, 413-438.

Tamis-LeMonda, C., Shannon, J., Cabrera, N., & Lamb, M. (2004). Fathers and mothers at play with their 2- and 3- year-olds: Contributions to language and cognitive development. Child Development, 75, 1806-1820.

Tamis-LeMonda, C. S., Song, L., Leavell Smith, A., Kahana Kalman, R., & Yoshikawa, H. (2012). Ethnic differences in mother-infant language and gestural communications are associated with specific skills in infants. Developmental Science, 15, 3, 384-397. doi: 10.1111/j.1467-7687.2012.01136.x

Veloso, C., Barroso, I., Branco, M., Ferreira, A., Fernandes, I., Ladeiras, A., . . . Fuertes, M. (2018). Estudo sobre as diferenças interativas e comunicativas dos educadores e dos pais com crianças em idade pré-escolar. Da Investigação às Práticas, 8(1), 94-116.

Veríssimo, M., Santos, A. J., Vaughn, B. E., Torres, N., Monteiro, L., & Santos, O. (2011). Quality of attachment to father and mother and number of reciprocal friends. Early Child Development and Care, 181, 27-38. doi: 10.1080/03004430903211208

Volling, B. L., McElwain, N. L., Notaro, P. C., & Herrera, C. (2002). Parents’ emotions availability and infant emotional competence: Predictors of parent-infant attachment and emerging self-regulation. Journal of Family Psychology, 16, 447-465. doi: 10.1037/0893-3200.16.4.447

Weinfield, N. S., Sroufe, L. A., Egeland, B., & Carlson, E. (2008). Individual differences in infant-caregiver attachment: Conceptual and empirical aspects of security. In J. Cassidy & P. R. Shaver (Eds.), Handbook of attachment: Theory, research, and clinical applications (pp. 78-101). New York: Guilford Press.




DOI: https://doi.org/10.14417/ap.1240

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - Instituto Universitário, 2012 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons 'CC BY-NC '