Sintomatologia psicopatológica e suporte social em pais de crianças portadoras de perturbação do espetro do autismo

Alexandra Isabel Lobo Pereira, Otília Monteiro Fernandes, Inês Carvalho Relva

Resumo


O presente estudo teve como principal objetivo analisar a presença (ou não) de sintomatologia psicopatológica nos pais das crianças com PEA (perturbação do espetro do autismo), bem como estudar o grau de satisfação destes com o suporte social. Para este efeito, investigámos uma amostra de 246 pais em que pelo menos um filho é portador de PEA. Utilizaram-se três instrumentos, nomeadamente um Questionário Sociobiográfico; o Inventário de Sintomas Psicopatológicos (BSI; Derogatis, 1982, versão portuguesa de Canavarro, 1999); e a Escala de Satisfação com o Suporte Social (Pais-Ribeiro, 2011). Os resultados indicaram que: (1) as mães das crianças com PEA apresentam maior sintomatologia psicopatológica do que os pais; (2) os pais e mães com 3 ou mais filhos percecionam índices de maior satisfação com a família comparativamente aos pais e mães com 1 ou 2 filhos; (3) existe uma correlação negativa entre todas as dimensões do suporte social e as da sintomatologia psicopatológica; (4) o sexo feminino é uma variável preditora para algumas das dimensões de sintomatologia psicopatológica. Os resultados foram discutidos com o intuito de proporcionar algumas diretrizes na intervenção clínica com pais de crianças com PEA.


Palavras-chave


Perturbação do espetro do autismo, Suporte social, Sintomatologia psicopatológica.

Texto Completo:

PDF

Referências


American Psychiatric Association (APA). (2013). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (5th ed.). Arlington, VA: American Psychiatric Association.

Araújo, Y. B., Collet, N., Gomes, I. P., & Nóbrega, R. D. (2011). Enfrentamento do adolescente em condição crônica: Importância da rede social. Revista Brasileira de Enfermagem, 64, 281-286.

Baptista, M. (2005). Desenvolvimento do Inventário de Percepção de Suporte Familiar (IPSF): Estudos psicométricos preliminares. Psico-USF, 10, 11-19.

Bem-Zur, H., Duvdevany, I., & Lury, L. (2005). Associations of social support and hardiness with mental health among mothers of adult children with intellectual disability. Journal of Intellectual Disability Research, 49, 54-64.

Benson, P. R., & Kersh, J. (2011). Marital quality and psychological adjustment among mothers of children with ASD: Cross-sectional and longitudinal relationships. Journal of Autism and Developmental Disorders, 41, 1675-1685. doi: 10.1007/s10803-011-1198-9

Boyd, B. (2002). Examining the relationship between stress and lack of social support in mothers of children with autism. Focus on Autism and Other Developmental Disabilities, 17, 208-215.

Canavarro, M. C. (1999). Inventário de Sintomas Psicopatológicos: BSI. In M. Simões, M. Gonçalves, & L. Almeida (Eds.), Testes e provas psicológicas em Portugal (vol. II, pp. 87-109). Braga: SHO/APPORT.

Chacon, M. C. M. (2011). Aspectos relacionais, familiares e sociais da relação pai-filho com deficiência física. Revista Brasileira de Educação Especial, 17, 441-458.

Derogatis, L. R. (1982). Self-report measures of stress. In L. Goldberger & S. Brenznitz (Eds.), Handbook of stress (pp. 270-294). New York: Free Press.

Favero, M., & Santos, M. (2005). Autismo infantil e estresse familiar: Uma revisão sistemática da literatura. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18, 358-369.

Felizardo, S. A., Silva, A. I., & Cardoso, A. P. (2015). Inclusão e articulação entre profissionais e pais de crianças com perturbações do autismo. Revista de Estudios e Investigación en Psicologia y Educación, 11, 11-95. doi: 10.17979/reipe.2015.0.11.622

Fernandes, O. M. (2005). Ser único ou ser irmão. Cruz Quebrada: Oficina do Livro.

Fuhrer, R., & Stansfeld, S. A. (2002). How gender affects patterns of social relations and their impact on health: A comparison of one or multiple sources of support from close persons. Social Science & Medicine, 54, 811-825.

Giallo, R., Wood, C., Jellett, R., & Seymour, M. (2013). Fatigue, stress and coping in mothers of children with an autism spectrum disorder. Journal of Autism and Developmental Disorders, 43, 1547-1554. doi: 10.1007/s10803-012-1701-y

Hartley, S. L., Seltzer, M. M., Head, L., & Abbeduto, L. (2012). Psychological well-being in fathers of adolescents and young adults with Down syndrome, Fragile X syndrome, and Autism. Family Relations, 61, 327-342.

Hastings, R. P. (2003). Behavioral adjustment of siblings of children with autism engaged in applied behavior analysis early intervention programs: The moderating role of social support. Journal of Autism and Developmental Disorders, 33, 99-104.

Hastings, R. P., Kovshoff, H., Ward, N., Degli-Espinosa, F., Brown, T., & Remington, B. (2005). Systems analysis of stress and positive perceptions in mothers and fathers of pre-school children with autism. Journal of Autism and Developmental Disorders, 35, 635-644.

Jones, L., Totsika, V., Hastings, R. P., & Petalas, M. A. (2013). Gender differences when parenting children with autism spectrum disorders: A multilevel modeling approach. Journal of Autism and Developmental Disorders, 43, 2093-2098. doi: 10.1007/s10803-012-1756-9

Iftikhar, N., & Butt, A. (2013). Psychological well-being and parental concerns of children with autism. Journal of Riphah College of Rehabilitation Sciences, 1, 21-27.

Kringlen, E., Torgersen, S., & Cramer, V. (2001). A Norwegian psychiatric epidemiological study. American Journal of Psychiatry, 158, 1091-1098.

Klüber-Ross, E. (1996). Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Martins Fontes Editora.

Lickenbrock, D. M., Ekas, N. V., & Whitman, T. L. (2011). Feeling good, feeling bad: Influences of maternal perceptions of the child and marital adjustment on well-being in mothers of children with an autism spectrum disorder. Journal of Autism and Developmental Disorders, 41, 848-858. doi: 10.1007/s10803-010-1105-9

Lima, M. B. S., Afonso, T., & Silva, S. C. (2013). Cuidadores primários de crianças com autismo na Amazônia: Suporte social e estresse. Federação Nacional das Apaes-Fenapaes, 2, 21-36.

Marques, M., & Dixe, M. (2011). Crianças e jovens autistas: Impacto da dinâmica familiar e pessoal de seus pais. Revista de Psiquiatria Clínica, 38, 66-70.

Martins, R. M. L., & Bonito, I. (2015). Implicações do autismo na dinâmica familiar: Estudo de qualidade de vida dos irmãos. Revista de Psicologia da Criança e do Adolescente, 6, 131-144.

Matos, M. G. (2015). Famílias & Famílias: A saúde no espaço intergeracional. In O. M. Fernandes & C. Maia (Eds.), A família portuguesa no século XXI (pp. 221-230). Lisboa: Edições Parsifal.

Meimes, M. A., Saldanha, H. C., & Bosa, C. A. (2015). Adaptação materna ao transtorno do espetro do autismo: Relações entre crenças, sentimentos e fatores psicossociais. Psico, Porto Alegre, 46, 412-422. doi: 10.15448/1980-8623.2015.4.18480

Moraes, M., Rodrigues, I., & França, J. (2014). Autismo: A luta contra a discriminação. Revista Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 1-10.

Mount, N., & Dillon, G. (2014). Parents’ experiences of living with an adolescent diagnosed with an autism spectrum disorder. Educational & Child Psychology, 31, 72-81.

Oliveira, D., Moura, A., Feijó, L., Pinheiro, M., Brites, P., Dorneles, S., & Moura, E. (2014). Interação vincular de pais com filhos autistas. Revista de Psicologia da Criança e do Adolescente, 5, 103-113.

Olsson, M. B., & Hwang, C. P. (2001). Depression in mothers and fathers of children with intellectual disability. Journal of Intellectual Disability Research, 45, 535-543.

Pallant, J. (2005). SPSS survival manual: A step by step guide to data analysis using SPSS for Windows (version 12). Australia: Allen & Unwin.

Pais-Ribeiro, J. L. (2011). Escala de satisfação com o suporte social. Lisboa: Placebo Editora.

Pietsrzak, S. P., & Facion, J. R. (2006). Pessoas com autismo e seus irmãos. Revista Intersaberes, 1, 168-185.

Rabasquinho, C., & Pereira, H. (2007). Género e saúde mental: Uma abordagem epidemiológica. Análise Psicológica, XXV, 439-454.

Sanchez, F., & Baptista, M. (2009). Avaliação familiar, sintomatologia depressiva e eventos estressantes em mães de crianças autistas e assintomáticas. Contextos Clínicos, 2, 40-50.

Schmidt, C., Dell’Aglio, D. D., & Bosa, C. A. (2007). Estratégias de coping de mães de portadores de autismo lidando com dificuldades e com a emoção. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20, 124-131.

Silva, E., & Ribeiro, M. (2012). Aprendendo a ser mãe de uma criança autista. Estudos, 39, 579-589.

Smeha, L. N., & Cezar, P. K. (2011). A vivência da maternidade de mães de crianças com autismo. Psicologia em Estudo, 16, 43-50.

Sprovieri, M., & Assumpção Jr, F. (2001). Dinâmica familiar de crianças autistas. Arquivos Neuropsiquiatria, 29, 230-237.

Wolf, L. C., Noh, S., Fisman, S. N., & Speechley, M. (1989). Brief report: Psychological effects of parenting stress on parents of autistic children. Journal of Autism and Developmental Disorders, 19, 157-166.

Zablotsky, B., Bradshaw, C. P., & Stuart, E. A. (2012). The association between mental health, stress, and coping supports in mothers of children with autism spectrum disorders. Journal of Autism and Developmental Disorders, 43, 1380-1393. doi: 10.1007/s10803-012-1693-7




DOI: https://doi.org/10.14417/ap.1371

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - Instituto Universitário, 2012 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons 'CC BY-NC '