Tomada de decisão no sistema de proteção das crianças e jovens: Um estudo comparativo entre as atitudes de profissionais e de estudantes

Paulo Delgado, João M.S. Carvalho, Vânia S. Pinto

Resumo


Este estudo tem como principal objetivo analisar as atitudes de 200 estudantes do ensino superior e 200 profissionais, responsáveis pela supervisão de casos e pelas recomendações para a intervenção, em domínios relacionados com os processos de tomada de decisão no sistema de proteção das crianças e jovens, em matérias como o acolhimento familiar e o acolhimento residencial. O estudo adota uma estratégia quantitativa e os dados foram recolhidos em 2014 nas principais regiões do país (Braga, Porto, Coimbra, Lisboa e Faro), com a aplicação do questionário ‘Child Welfare Attitudes Questionnaire’ (Davidson-Arad & Benbenishty, 2008, 2010). Os resultados obtidos permitem concluir que ambos os participantes, profissionais e estudantes, podem ser divididos em dois grupos, um mais favorável à retirada e outro menos favorável à retirada. Em comparação, os profissionais são menos favoráveis à retirada da criança e defendem mais a reunificação do que os estudantes. Não há diferenças estatisticamente significativas entre os participantes no que diz respeito à opinião sobre o papel do acolhimento familiar e do acolhimento residencial, assim como à participação da criança no processo de decisão. No entanto, os profissionais apoiam mais a participação dos pais no processo de decisão do que os estudantes. Finalmente, apresentam-se algumas implicações para a prática.


Palavras-chave


Sistema de proteção de crianças e jovens, Avaliação do risco, Processo de tomada de decisão, Acolhimento familiar, Acolhimento residencial

Texto Completo:

PDF

Referências


Bowlby, J. (1944). Forty-four juvenile thieves: Their characters and home life. International Journal of Psycho-Analysis, 25, 19-52.

Bowlby, J. (1951). Maternal care and mental health. New York: Schocken.

Cairns, K. (2002). Attachment, trauma and resilience: Therapeutic caring for children. London: BAAF.

Committee on the Rights of the Child. (2014). Third and fourth periodic reports of Portugal. New York: Office of the United Nations High Commissioner for Human Rights (OHCHR).

Davidson-Arad, B., & Benbenishty, R. (2008). The role of workers’ attitudes and parent and child wishes in child protection workers’ assessments and recommendation regarding removal and reunification. Children and Youth Services Review, 30, 107-121.

Davidson-Arad, B., & Benbenishty, R. (2010). Contribution of child protection workers’ attitudes to their risk assessments and intervention recommendations: A study in Israel. Health and Social Care in the Community, 18, 1-9.

Davidson-Arad, B., & Benbenishty, R. (2016). Child welfare attitudes, risk assessments and intervention recommendations: The role of professional expertise. The British Journal of Social Work, 46, 186-203.

Del Valle, J., & Bravo, A. (2013). Current trends, figures and challenges in out of home child are: An international comparative analysis. Psychosocial Intervention, 22, 251-257. http://dx.doi.org/10.5093/in2013a28

Delgado, P. (2015). Em busca do tempo perdido: O acolhimento familiar em Portugal. In O. Fernandes & C. Maia (Coords.), A família portuguesa no século XXI (pp. 101-110). Lisboa: Parsifal.

Delgado, P. (Coord.), Bertão, A., Timóteo, I., Carvalho, J., Sampaio, R., Sousa, A., . . . Vieira, I. (2013). Acolhimento familiar de crianças. Evidências do presente, desafios para o futuro. Porto: Livpsic.

Eurochild. (2010). Children in alternative care – National surveys. Bruxelas: Eurochild.

Gersão, E. (2014). A criança, a família e o direito. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Gilbert, N., Parton, N., & Skivenes, M. (2011). Child protection systems. New York: Oxford University Press.

Instituto da Segurança Social, I.P. (2011). CASA – Relatório de caracterização anual da situação de acolhimento das crianças e jovens. Lisboa: Instituto da Segurança Social.

Instituto da Segurança Social, I.P. (2012). CASA – Relatório de caracterização anual da situação de acolhimento das crianças e jovens. Lisboa: Instituto da Segurança Social.

Instituto da Segurança Social, I.P. (2013). CASA – Relatório de caracterização anual da situação de acolhimento das crianças e jovens. Lisboa: Instituto da Segurança Social.

Instituto da Segurança Social, I.P. (2016). CASA – Relatório de caracterização anual da situação de acolhimento das crianças e jovens. Lisboa: Instituto da Segurança Social.

Instituto da Segurança Social, I.P. (2017). CASA – Relatório de caracterização anual da situação de acolhimento das crianças e jovens. Lisboa: Instituto da Segurança Social.

Jornal Oficial da União Europeia. (2007). Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia (2007/C303/01 de 14 de Dezembro de 2007). Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia.

Martins, P. (2006). A qualidade dos serviços de protecção às crianças e jovens – As respostas institucionais. Revista Infância e Juventude, 3, 103-114.

Martins, C., Belsky, J., Marques, S., Baptista, J., Silva, J., Mesquita, A., . . . Soares, I. (2013). Diverse physical growth trajectories in institutionalized Portuguese children below Age 3: Relation to child, family, and institutional factors. Journal of Pediatric Psychology, 1-11. doi: 10.1093/jpepsy/jss129

Neil, E., Cossar, J., Lorgelly, P., & Young, J. (2010). Helping birth families. Services, costs and outcomes. London: BAAF.

Oliveira, P., Fearon, R., Belsky, J., Fachada, I., & Soares, I. (2014). Quality of institutional care and early childhood development. International Journal of Behavioral Development, 1-10. doi: 10.1177/0165025414552302

Pereirinha, J. (2005). Política social. Fundamentos da actuação das políticas públicas. Lisboa: Universidade Aberta.

Palacios, J. (2015). Cada criança, uma família – Almas infantis em movimento. In P. Delgado (Coord.), Acolhimento familiar de crianças. Pelo direito de crescer numa família (pp. 19-21). Lousado: Mundos de Vida.

Robinson, J. P., Shaver, P. R., & Wrightsmann, L. S. (1991). Criteria for scale selection and evaluation. In J. P. Robinson, P. R. Shaver, & L. S. Wrightsmann (Eds.), Measures of personality and social psychology attitudes (pp. 1-16). San Diego, CA: Academic Press.

Rodrigues, S., Barbosa-Ducharne, M., & Del Valle, J. (2013). The quality of residential child care in Portugal and the example of its development in Spain. Papeles del Psicólogo, 34, 11-22.

Rodrigues, S., Barbosa-Ducharne, M., & Del Valle, J. (2014). Differences and similarities in children’s and caregiver’s perspectives on the quality of residential care in Portugal. International Journal of Child and Family Welfare, 15, 24-37.

Rutter, M. (1991). A fresh look at “maternal deprivation”. In P. Bateson (Ed.), The development and integration of behaviour: Essays in honor of Robert Hinde (pp. 331-374). New York: Cambridge University Press.

Rutter, M. (1995). Clinical implications of attachment concepts: Retrospect and prospect. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 36, 549-571. doi: 10.1111/j.1469-7610.1995.tb02314.x

Schofield, G., & Beek, M. (2006). Attachment handbook for foster care and adoption. London: BAAF.

United Nations. (1989). Convention on the rights of the child. New York: United Nations.




DOI: https://doi.org/10.14417/ap.1432

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - Instituto Universitário, 2012 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons 'CC BY-NC '