Enhancing student persistence: Lessons learned in the United States

Vincent Tinto

Resumo


Trinta anos de experiência na tentativa de incrementar a permanência dos estudantes nos Estados Unidos ensinou-nos algumas lições no que respeita aos aspectos essenciais de políticas e de práticas de sucesso. Entre outras coisas, aprendemos que para que os esforços sejam bem sucedidos é preciso que as universidades façam mais do que simplesmente criar serviços. Devem estabelecer-se nas universidades condições que permitam aos estudantes encontrar suporte académico e social, obter retro-informação sobre o seu trabalho e envolverem-se activamente com outros estudantes. Em nenhum outro local das universidades o envolvimento é mais importante do que nas salas de aula e nos laboratórios, os locais, talvez os únicos locais, onde os estudantes se conhecem uns aos outros e se implicam com a Faculdade na aprendizagem. Uma estratégia, cada vez mais aceite, que promove tal envolvimento são as comunidades de aprendizagem e a pedagogia colaborativa que lhes subjaz. Em conclusão, argumenta-se que qualquer estratégia tendo em vista aumentar a permanência dos estudantes requer que as universidades levem a sério a tarefa de desenvolver a faculdade e os seus agentes e disponibilize os recursos, recompensas e incentivos para assegurar que intervenções eficazes aumentem no futuro.


Palavras-chave


Permanência; retenção; política; comunidades de aprendizagem

Texto Completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14417/ap.148

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Nº ERC: 107494 | ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - CRL, 2012 | Rua Jardim do Tabaco, 34, 1149-041 Lisboa | NIF: 501313672 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons CC BY-NC