Efeitos implícitos da pertença e identificação grupais na discriminação social

Miguel Cameira, Rui G. Serôdio, Isabel Pinto, José M. Marques

Resumo


Utilizando uma metodologia não-obstrusiva, testámos a hipótese de que a associação entre estímulos visuaisnão salientes e a pertença grupal dos indivíduos pode interferir na escolha de uma equipa de trabalho sem que estes se apercebam dessa influência. As participantes (66 estudantes dos cursos de Psicologia e de Serviço Social) foram acolhidas por uma Psicóloga vs. Trabalhadora Social após o que deveriam escolher entre duas equipas, fisicamente semelhante vs. Diferente da pessoa que as recebeu, para a continuação do mesmo estudo.

Os resultados mostraram que as participantes que foram acolhidas pelo membro do exogrupo escolheram mais a equipa diferente do que as participantes acolhidas pelo membro do endogrupo sendo este efeito mediado pela identificação ao endogrupo. Os resultados são discutidos à luz de investigação anterior utilizando medidas implícitas de discriminação social.

Palavras-chave


métodos não-obstrusivos;discriminação

Texto Completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14417/ap.23

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Nº ERC: 107494 | ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - CRL, 2012 | Rua Jardim do Tabaco, 34, 1149-041 Lisboa | NIF: 501313672 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons CC BY-NC