Desenvolvimento positivo dos jovens: Estudo exploratório realizado com estudantes portugueses

Jorge Luís Esperança, Cláudia Dias, Robert John Brustad, António Manuel Fonseca

Resumo


Este estudo teve por objetivo procurar perceber como se situam os jovens portugueses relativamente a alguns parâmetros que têm sido associados com o desenvolvimento positivo dos jovens. Para o efeito, foi considerado o modelo dos 5C’s (Lerner et al., 2005), nomeadamente no que concerne à sua proposta de avaliação. Novecentos e sete alunos portugueses, de ambos os sexos e com idades compreendidas entre os 12 e os 15 anos preencheram o PYDp/red (Esperança, Dias, Brustad, & Fonseca, 2017), a versão portuguesa do Measure of PYD (Lerner et al., 2005). Os resultados permitiram constatar que os jovens apresentavam resultados mais elevados nas questões que se prendiam com o autoconceito e com uma visão positiva das suas próprias ações, demonstrando valores menos elevados no respeito pelas regras sociais e padrões corretos de comportamento, bem como na compreensão pelos outros e nos vínculos positivos. Constatou-se ainda que as raparigas apresentavam resultados médios mais elevados do que os rapazes, mas apenas se verificavam diferenças estatisticamente significativas na dimensão caráter. No que concerne à idade, existiam diferenças acentuadas nos resultados, sendo os resultados inferiores, em todas as dimensões, nos jovens que se encontravam no final da puberdade, comparativamente aos de outras faixas etárias.

Palavras-chave


Desenvolvimento positivo, Jovens portugueses, Sexo, Idade.

Texto Completo:

PDF

Referências


Alves, R. (2008). O bem-estar subjetivo e a prática desportiva em adolescentes da região autónoma da Madeira. Dissertação de doutoramento, Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Antunes, C., Sousa, M. C., Carvalho, A., Costa, M., Raimundo, F., Lemos, E., . . . Andrade, A. (2006). Autoestima e comportamentos de saúde e de risco no adolescente: Efeitos diferenciais em alunos do 7º ao 10º ano. Psicologia, Saúde & Doenças, 7, 117-123.

Arnold, E., Nott, D., & Meinhold, L. (2012). The Positive Youth Development Inventory Full Version. Manuscrito não publicado, Oregon State University, Corvallis, USA.

Balaguer, I., & Castillo, I. (2002). Actividad física, ejercicio físico y deporte en la adolescencia temprana. In I. Balaguer (Ed.), Estilos de vida en la adolescência (pp. 37-64). Valencia: Promolibro.

Benson, P., Leffert, N., Scales, P., & Blyth, D. (1998). Beyond the “village” rhetoric: Creating healthy communities for children and adolescents. Applied Developmental Science, 2, 138-159.

Catalano, R. F., Berglund, M. L., Ryan, J. A. M., Lonczak, H. S., & Hawkins, J. D. (1999). Positive youth development in the United States: Research findings on evaluations of youth development programs. Seattle: University of Washington.

Collaborative for Academic, Social, and Emotional Learning. (2011). What is Social and Emotional Learning (SEL)?. Chicago, IL: CASEL. Retrieved from http://www.casel.org/what-is-sel/

Conway, R. J., Heary, C., & Hogan, M. J. (2015). An evaluation of the measurement properties of the five Cs model of positive youth development. Frontiers in Psychology, 6, 1-13.

Correia, S. (2007). O desenvolvimento da responsabilidade pessoal e social, em crianças e jovens em risco de insucesso escolar, através de um programa desportivo: Um estudo na Escola EB 2º e 3º ciclos de Paços de Brandão. Dissertação de mestrado, Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Corte-Real, N. (2006). Desporto, saúde e estilos de vida, diferentes olhares, objetivos e subjetivos, sobre os comportamentos dos adolescentes. Dissertação de doutoramento, Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Damon, W., & Lerner, R. M. (2006). Handbook of child psychology (6th ed.). Hoboken, NJ: John Wiley & Sons.

Esperança, J. (2005). Atividade física, comportamentos de saúde e satisfação com a vida. Estudo realizado em jovens com necessidades educativas especiais de várias escolas do País. Dissertação de mestrado, Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Esperança, J., Dias, C., Brustad, R., & Fonseca, A. M. (2017). Desenvolvimento e validação da versão reduzida do questionário Positive Youth Development (PYDp) para a avaliação do desenvolvimento positivo dos jovens dos países lusófonos. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 17, 47-61. doi: 10.5628/RPCD.17.01.47

Feliciano, I., & Afonso, R. (2012). Estudo sobre auto-estima em adolescentes dos 12 aos 17 anos. Psicologia, Saúde & Doenças, 13, 252-265.

Hansen, D. M., & Larson, R. (2005). The Youth Experience Survey 2.0: Instrument revisions and validity testing. Urbana-Champaign: University of Illinois. Retrieved from http://youthdev.illinois.edu/wp-content/uploads/2013/11/YES-2.0-Instrument.pdf

Harter, S. (1983). Supplementary description of the Self-Perception Profile for Children: Revision of the Perceived Competence Scale for Children. Unpublished manuscript, University of Denver, Denver, USA.

Harter, S. (1999). The construction of the self: A developmental perspective. New York: Guilford Press.

Harter, S. (2003). The development of self-representation during childhood and adolescence. In M. R. Leary & J. P. Tangney (Eds.), Handbook of self and identity. New York: The Guilford Press.

Hellison, D. (1995). Teaching responsibility through physical activity. Champaign, IL: Human Kinetics.

Jones, M. I., Dunn, J. G. H., Holt, N. L., Sullivan, P. J., & Bloom, G. A. (2011). Exploring the ‘5Cs’ of positive youth development in sport. Journal of Sport Behavior, 34, 250-267.

Klein, D., Sabaratnam, P., Auerbach, M. M., Smith, S. M., Kodjo, C., Lewis, K., . . . Dandino, C. (2006). Development and factor structure of a brief instrument to assess the impact of community programs on positive youth development: The Rochester Evaluation of Asset Development for Youth (READY) tool. Journal of Adolescent Health, 39, 252-260.

Lerner, R. M., Lerner, J. V., Almerigi, J., Theokas, C., Phelps, E., Gestsdottir, S. . . . von Eye, A. (2005). Positive youth development, participation in community youth development programs, and community contributions of fifth grade adolescents: Findings from the first wave of the 4-H study of positive youth development. Journal of Early Adolescence, 25, 17-71.

Marsh, H. W. (1989). Age and sex effects in multiple dimensions of self-concept: Preadolescence to early adulthood. Journal of Educational Psychology, 81, 417-430.

Matos, M. (2016). Os adolescentes portugueses têm um problema com a escola. E tem piorado. Jornal Público. Recuperado de https://www.publico.pt/sociedade/noticia/os-adolescentes-portugueses-tem-um-problema-com-a-escola-e-tem-piorado-1726154

McMullin, J. A., & Cairney, J. (2004). Self-esteem and the intersection of age, class, and gender. Journal of Aging Studies, 18, 75-90.

Moraes, M., Corte-Real, N., Dias, C., & Fonseca, A. M. (2009). Satisfação com a vida, exercício físico e consumo de tabaco em adolescentes de diferentes áreas geográficas de Portugal. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 30, 137-149.

National Research Council and Institute of Medicine. (2002). Community programs to promote youth development. Washington, DC: National Academy Press.

Nogueira, H. (2011). O modelo de desenvolvimento da responsabilidade pessoal e social em lares especializados de infância e juventude. Dissertação de mestrado, Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

O’Beaglaoich, C., Sarma, K., & Morrison, T. G. (2013). New directions in gender role conflict research. In J. Gelfer (Ed.), Masculinities in a global era (pp. 17-51). New York: Springer.

Paupério, T., Corte-Real, N., Dias, C., Corredeira, R., & Fonseca, A. M. (2013). Assimetrias regionais. Que diferenças nos estilos de vida e na satisfação com a vida dos adolescentes: Um estudo realizado em alunos do 3º ciclo do Ensino Básico em Portugal. Ciência & Saúde Coletiva, 20, 17-28.

Pavot, W., & Diener, E. (1993). Review of the Satisfaction with Life Scale. Psychological Assessment, 5, 164-172.

Phelps, E., Zimmerman, S., Warren, A. E. A., Jelicic, H., von Eye, A., & Lerner, R. M. (2009). The structure and developmental course of Positive Youth Development (PYD) in early adolescence: Implications for theory and practice. Journal of Applied Developmental Psychology, 30, 571-584.

Regueiras, M. (2006). Desenvolvimento da responsabilidade pessoal e social de jovens em risco através do desporto: Será possível?. Dissertação de mestrado, Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Roth, J., Brooks-Gunn, J., Murray, L., & Foster, W. (1998). Promoting healthy adolescence: Synthesis of youth development program evaluations. Journal of Research on Adolescence, 8, 432-459.

Shek, D. T. L., Sun, R. C. F., & Ma, M. S. (2014). Chinese adolescents in Hong Kong: Family life, psychological well-being and risk behavior. Singapore: Springer.

Small, S. A., & Rogers, K. B. (1995). Teen Assessment Project (TAP) Survey Question Bank. Madison: University of Wisconsin-Madison.

Weiss, R., Bolter, D., & Kipp, E. (2014). Assessing the impact of physical activity-based youth development programs: Validation of the Life Skills Transfer Survey (LSTS). Research Quarterly for Exercise and Sport, 85, 263-278.

Weissberg, R., & O’Brien, M. (2004). What works in school-based social and emotional learning programs for positive youth development. Annals of the American Academy of Political and Social Science, 591, 86-97.




DOI: https://doi.org/10.14417/ap.1420

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (in print): 0870-8231 | ISSN (online): 1646-6020 | Copyright © ISPA - Instituto Universitário, 2012 | O portal e metadados estão licenciados sob a licença Creative Commons 'CC BY-NC '